Protótipo do dia: Volvo 480 Cabrio

Clássicos 14 Dez 2023

Protótipo do dia: Volvo 480 Cabrio

Por Tiago Nova

O Volvo 480 ficará para sempre marcado na história da marca sueca por ter sido o seu primeiro automóvel de tracção frontal, tendo sido produzido entre 1986 a 1995 na Holanda, na fábrica da NedCar. Da mesma plataforma do 480, nasceu a variante de cinco portas (o 440) e a berlina de quatro portas (o 460).


O seu design, elaborado por John de Vries, é bastante futurista e diferenciador, e marca também uma mudança nos modelos Volvo, tradicionalmente de linhas rectas. Foi concebido em túnel de vento, para uma melhor aerodinâmica e foi também o único Volvo com faróis escamoteáveis. O seu interior, desenhado por Peter Hobury, tem quatro bancos individuais que conferem bastante espaço para os seus ocupantes.


Apesar do 480 apenas estar disponível na carroçaria fechada, a Volvo chegou a testar a hipótese de lançar a versão descapotável, designada de 480 Cabrio. O primeiro protótipo foi construído por mero acaso, quando um dos protótipos de desenvolvimento do modelo original ia para a sucata e, alguém teve a ideia de o transformar num descapotável, dando seguimento ao projecto pela belga EBS, empresa especializada na transformação de automóveis descapotáveis. Quando o primeiro protótipo foi apresentado à Volvo, esta recusou-o, devido ao facto de não ter barra central de protecção. Foi então que a Volvo pediu à britânica Motor Panels a produção de um outro protótipo.


No final, o modelo foi considerado de forma bastante positiva, e a própria Volvo decidiu iniciar o desenvolvimento desta versão para o colocar em produção. Chegou a ser anunciado pela marca a sua apresentação em Julho de 1987, no entanto, apenas seria apresentado pela primeira vez no Salão de Genebra de 1990. A Volvo chegou a produzir vários exemplares, tanto com base na versão ES, como na versão Turbo, no entanto a sua produção nunca arrancou. Alguns desses protótipos construídos estão na posse da marca e encontram-se em exposição no seu museu em Gotemburgo, na Suécia.


Como o projecto da EBS foi rejeitado, esta forneceu-o à também belga ACT para o produzir em pequena escala, não se sabendo quantos exemplares terão sido transformados por esta, sendo hoje extremamente raros.


Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube