Studebaker Avanti, o automóvel futurista que tentou salvar a marca americana

Clássicos 02 Out 2023

Studebaker Avanti, o automóvel futurista que tentou salvar a marca americana

O Studebaker Avanti foi um coupé de luxo, concebido como halo car, ou seja, para reforçar a atenção sobre os produtos da Studebaker e para concorrer com o Ford Thunderbird. Desenhado por Raymond Loewy, o Avanti tinha um foco muito concentrado nos elementos de segurança, assim como performances elevadas para a época. Foi também considerado o automóvel de produção mais rápido do mundo, ao atingir os 270km/h em Bonneville, batendo 29 recordes mundiais.


A produção do Avanti durou apenas entre Junho de 1962 e Dezembro de 1963, abruptamente interrompida devido ao fecho da fábrica da Studebaker a 20 de Dezembro. No entanto, o modelo não “morreu” por aí, pois logo em 1965 renasceu pela força de dois concessionários Studebaker que adquiriram os direitos do nome e de produção, sendo continuamente vendido até 2006. No total, a Studebaker produziu oficialmente menos de 5,800 unidades.


O Avanti tem por base o chassis do Studebaker Lark, no qual assenta a carroçaria produzida em fibra de vidro, fabricada na Molded Fiberglass Body, a mesma empresa que produzia as carroçarias para o Chevrolet Corvette.


Haviam duas versões: o Avanti R1 equipado com o motor V8 289 Hawk de 4,7L de cilindrada e 240cv de potência e o Avanti R2, que estava equipado com o mesmo motor, mas era adicionado um compressor volumétrico Paxton, subindo a potência para os 290cv. Acoplado ao motor poderia estar duas caixas de velocidades, uma com quatro velocidades manuais, ou então, uma automática de três relações. A potência é enviada para as rodas traseira, onde poderia estar montado um diferencial autoblocante Twin Traction. Ao nível de travagem, estava equipado com discos de travão nas rodas da frente, produzidos pela Bendix sob licença da Dunlop, considerado o primeiro automóvel americano equipado com discos de travão.


Presente neste artigo está um Studebaker Avanti R2 de 1963, desse modo equipado com o compressor Paxton e pintado na cor Avanti Red. Além disso, conta com todos os extras possíveis na época, como o autoblocante Twin Traction, caixa automática, jantes de 15”, dois escapes, direcção assistida, vidros eléctricos e um rádio Blaupunkt Daytona mais moderno montado no porta luvas. No passado dia 5 de Julho foi vendido num leilão levado a cabo pela plataforma da Bring a Trailer, alcançando os 75 mil dólares (cerca de 70 mil euros).


Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube