Os dez automóveis mais caros vendidos em leilão em 2022

Mercado 10 Jan 2023

Os dez automóveis mais caros vendidos em leilão em 2022

Com o ano 2022 terminado, resta fazer o balanço dos leilões e determinar os dez modelos mais caros vendidos em leilão durante o ano.

Foi um ano particularmente bom para o mercado de clássicos, que apesar de estar a acalmar, houve um número crescente de procura e de vendas em praticamente todos os eventos e plataformas, com vários recordes batidos, alguns várias vezes.

O ano 2022 fica marcado por ter sido batido o recorde do automóvel mais caro alguma vez vendido e não foi por pouco, já que o valor do recorde triplicou. Dos dez automóveis presentes na lista, metade são modelos Ferrari. Podemos ainda tirar outras conclusões, já que metade são também da década de 50, três dos automóveis que não são Ferrari, são de 1937 e metade foram leiloados na venda anual da Sotheby’s em Monterey.


Chega de introduções e vamos à lista dos dez modelos mais caros vendidos em leilões públicos em 2022 por ordem crescente de valor.


10 – Ferrari 375 America Vignale Cabriolet (1954)


Este automóvel é um modelo único, o que o torna desde logo especial, já que este foi o único Ferrari 375 America produzido na carroçaria descapotável pela Vignale, além disso é um dos três exemplares equipado com o motor V12 Lampredi de 4,5 litros de cilindrada. Foi vendido pelo próprio Enzo Ferrari a Bianca Colizzi, filha do productor italiano de cinema Giuseppe Colizzi. Foi arrematado no leilão da RM Sotheby’s em Monterey por 7.595.000 de dólares, cerca de 7,2 milhões de euros.

#9 Ferrari 500 TRC Spider Scaglietti (1957)



Os Ferrari 500 TR marcaram o fim dos automóveis de competição da marca italiana equipados com motores de quatro cilindros, sendo também o primeiro com o nome Testa Rossa. Para corresponder às exigências do novo regulamento Appendix C de 1957, a Ferrari produziu 19 exemplares do 500 TRC. Este foi o penúltimo produzido, capitalizando várias vitórias. Foi vendido no leilão da RM Sotheby’s em Monterey por 7.815.000 de dólares, cerca de 7,4 milhões de euros.

#8 Ferrari 250 GT SWB Berlinetta Competizione (1960)


Este automóvel pertence aos 46 exemplares dos 250 GT SWB Berlinetta Competizione produzidos com carroçarias em alumínio. Nasceu para competir pela equipa de Luigi Chinetti, a North American Racing Team ou NART, nas 24 Horas de Le Mans de 1960, terminado em quinto da geral e em segundo da sua categoria. Foi vendido no leilão da Gooding & Company em Londres, por 7.763.500 de libras, cerca de 8,8 milhões de euros.

#7 Hispano-Suiza H6C “Tulipwood” Torpedo by Nieuport-Astra (1924)


Construído para ser leve, numa época em que a tecnologia era ainda escassa, este Hispano-Suiza H6C foi produzido em madeira pela Nieuport-Astra. É também o único exemplar produzido com estas características e foi encomendado por André Dubonnet. Foi vendido no leilão da RM Sotheby’s em Monterey por 9.245.000 de dólares, cerca de 8,8 milhões de euros.

#6 Mercedes-Benz 540K Special Roadster Sindelfingen (1937)



Os Mercedes-Benz 540K são dos automóveis mais raros, mais caros e os mais procurados por coleccionadores. Este modelo é ainda mais especial pois pertence ao restrito lote dos três sobreviventes dos modelos de traseira longa Special Roadster, produzidos pela Sindelfingen. Foi vendido no leilão da RM Sotheby’s em Monterey por 9.905.000 dólares, quase 9,4 milhões de euros.

#5 Bugatti Type 57SC Atalante (1937)


O Bugatti Type 57SC era mais leve, sofisticado e rápido que o Type 57 tradicional, um modelo já de grande sucesso. O S significa que é a versão mais baixa e o C significa que está equipado com um motor de sobrealimentação através de um compressor. É um dos modelos da Bugatti mais procurados, com o desenho da responsabilidade de Jean Bugatti, filho de Ettore. Segundo consta apenas dois Atalante saíram de fábrica com compressor. Foi vendido no leilão da Gooding & Company em Pebble Beach por 10.345.000 dólares, cerca de 9,8 milhões de euros.

#4 Talbot-Lago T150-C-SS Teardrop Coupe (1937)


Este é o automóvel francês mais caro de sempre a ser vendido num leilão, sendo um dos expoentes máximos da Art Déco, devido ao desenho Goutte d’Eau concebido pela Figoni et Falaschi. Apenas dois exemplares foram produzidos nesta carroçaria e este é o único que se mantém original, o que o torna no mais apetecido entre os coleccionadores. Foi vendido pela Gooding & Company em Amelia Island por 13.425.000 dólares, cerca de 12,7 milhões de euros.

#3 Ferrari F2003-GA (2003)


O F2003-GA foi um dos automóveis de maior sucesso da Scuderia Ferrari e este exemplar em específico foi utilizado por Michael Schumacher, alcançando cinco vitórias. Foi leiloado pela Sotheby’s em Genebra por 14.630.000 francos suíços, cerca de 14,8 milhões de euros, tornando-se o Fórmula 1 mais caro de sempre a ser vendido em leilão.

#2 Ferrari 410 Sport Spider Scaglietti (1955)


Este foi o automóvel mais caro vendido em Monterey, em mais do dobro do que os outros lotes, num evento repleto de automóveis vendidos por valores de sete algarismos. Este 410 Sport Spider pertence ao lote de apenas dois equipados de fábrica com o motor V12 de 5,0 litros e ignição de duas velas. Foi conduzido com enorme sucesso por grandes nomes da época, como Juan Manuel Fangio, Carrol Shelby, Phil Hill, Jo Bonnier e Masten Gregory, entre outros. Como dito acima, foi vendido em Monterey pela RM Sotheby’s por 22.005.000 dólares, cerca de 20,8 milhões de euros.

#1 Mercedes-Benz 300 SLR Uhlenhaut Coupé (1955)



Chegamos ao fim da lista com o automóvel mais caro alguma vez vendido em leilão, de longe. O anterior recorde pertencia ao Ferrari 250 GTO vendido em 2018 por 41,6 milhões de euros. No entanto, em 2022 esse valor foi batido em mais do triplo por um dos dois 300 SLR Uhlenhaut Coupe vendido pelo próprio Museu da Mercedes-Benz, através da RM Sotheby’s por 135 milhões de euros.

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube