Aviões e letras, uma combinação para poucos

Arquivos 21 Out 2022

Aviões e letras, uma combinação para poucos

Por Irineu Guarnier

Pilotar aviões pelo mundo e ao mesmo tempo escrever obras-primas é para poucos – muito poucos. O francês Antoine de Saint-Exupéry realizou esta proeza como ninguém (entre tantas outras, que marcaram sua vida de aventuras aéreas e letras).

Em livros como “Voo Noturno”, “Correio Sul” ou “Terra dos Homens”, Saint-Exupéry nos conta de voos incríveis, aventureiros românticos, tempestades nos Andes e quedas no Saara, mas principalmente de frágeis seres humanos confrontados com as forças colossais da natureza. E tudo isso narrado com lirismo e a mão firme de um mestre da palavra.

Pioneiro do correio aéreo mundial nas primeiras décadas do século passado, Saint-Exupéry voava de Paris para Buenos Aires com um velho monomotor e pouca ajuda externa, orientado apenas por uma bússola, o sol e as estrelas. Suas passagens por Florianópolis e Porto Alegre, duas capitais no Sul do Brasil, estão registradas em relatos antigos.




Na Praia do Campeche, em Florianópolis, onde fazia escalas técnicas para reabastecimento e repouso, há uma discreta placa em sua homenagem. Em um dos seus livros, descreveu as luzes de Porto Alegre vistas do seu cockpit. Dizem que Saint-Exupéry (chamado de “Zé Perri” no Campeche) era um sujeito afável, que gostava de ouvir, e que foi um piloto meio distraído (o que talvez explique os vários acidentes que sofreu).

O homem que escreveu “O essencial é invisível aos olhos” desapareceria nas águas do Mediterrâneo, no final da Segunda Guerra Mundial, pilotando um Lockheed P-38 Lightning, provavelmente abatido por caças nazis. O seu corpo nunca foi encontrado. Pena que ainda hoje tanta gente – assim como as misses de antigamente – só conheça, de Saint-Exupéry, “O Pequeno Príncipe”. Uma obra-prima que ainda encanta crianças e adultos, sem dúvida, mas não melhor do que muitos de seus livros menos conhecidos sobre homens e máquinas voadoras.

Antoine de Saint-Exupéry ao lado do Caudron C.630 Simoun, F-ANRY. depois de um despiste


Irineu Guarnier Filho é brasileiro, jornalista especializado em agronegócios e vinhos, e um entusiasta do mundo automóvel. Trabalhou 16 anos num canal de televisão filiado à Rede Globo. Actualmente colabora com algumas publicações brasileiras, como a Plant Project e a Vinho Magazine. Como antigomobilista já escreveu sobre automóveis clássicos para blogues e revistas brasileiras, restaurou e coleccionou automóveis antigos.


TAGS: Antoine de Saint-Exupéry Brasil Irineu Guarnier


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment