Miller 91, o automóvel que dominou as pistas ovais americanas nos anos 20

Competição 21 Set 2022

Miller 91, o automóvel que dominou as pistas ovais americanas nos anos 20

Harry Miller foi um dos construtores de automóveis de competição com maior sucesso de sempre, contribuindo largamente para o desenvolvimento dos automóveis americanos de competição, onde se incluiu a invenção dos pistões de alumínio. Fazendo uma retrospectiva, os automóveis desenhados por Miller venceram a Indianapolis 500 por dez vezes. Além destes, os automóveis equipados com motores Miller ou Offenhauser, que tinham por base os motores Miller, venceram mais 29 vezes a mesma prova. No total, os automóveis Miller venceram 43 campeonatos americanos.

Um dos seus projectos mais vanguardistas e de que hoje é mais reconhecido foi a construção dos automóveis Miller 91. O modelo teve tanto sucesso que levou a AAA a alterar os regulamentos para que outros concorrentes tivessem a hipótese de vencer.

O Miller 91 está equipado com um motor de oito cilindros em linha e duas árvores de cames à cabeça, com uma cilindrada de 91 polegadas cúbicas, daí a sua designação, que dá qualquer coisa como 1,5 litros de cilindrada. Estava equipado com compressor volumétrico para desenvolver 150cv às 7000 rpm na sua forma inicial, passando pouco tempo depois para os 250cv às 8000rpm, números elevados para a época e para um motor de pequena cilindrada. A potência poderia ser enviada tanto para as rodas traseiras, como para as rodas da frente, dependendo das especificações do chassis, este último o motor era rodado 180º e influenciou o Cord L-29 que seria lançado posteriormente. A velocidade máxima também atingia valores excepcionais, com uma velocidade de 273 km/h.



Presente neste artigo está o Miller 91 Supercharged Front Drive “Perfect Circle”, como foi apelidado. Foi vendido em 1927 ao famoso piloto Pete DePaolo, no entanto, com o aumento de potência a que o motor foi submetido, este começou a sofrer de problemas de aquecimento e de falhas com o compressor. Há que ressalvar que quando se encontrava em perfeitas condições, era o automóvel mais rápido da competição, vencendo ainda o AAA National Championship em 1927.

O automóvel seria vendido, passando pelas mãos de outros pilotos, sendo alterado para o novo regulamento em 1929, altura em que o chassis foi alargado e foi equipado com o motor Miller 122, de 2,5 litros de cilindrada, vencendo a Indianapolis 500 e o campeonato de 1930 com o piloto Billy Arnold. Após vários pilotos terem estado ao volante deste Miller 91 e após alguns acidentes, a carreira deste automóvel terminaria em 1939.

O coleccionador da Miller e historiador Chuck Davis iria adquirir o automóvel e restaurá-lo, utilizando peças que foi coleccionando ao longo dos anos, o que incluiu o motor que se pensa que é o original com que DePaolo adquiriu este Miller 91. A orientação do restauro, elaborado por Dave Hentschel, foi levada no sentido de colocar com as mesmas especificações com que competiu na Indianapolis 500 de 1927. Após a morte de Chuck, o automóvel iria para a Adderley Collection.

Foi levado a leilão pela RM Sotheby’s, num evento durante a Monterey Car Week, que decorreu entre os dias 18 e 20 de Agosto, sendo arrematado por 650 mil dólares, cerca de 656 mil euros.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
previous arrow
next arrow
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
previous arrow
next arrow

TAGS: Indianapolis 500 Miller 91 Pete DePaolo RM Sotheby's


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment