O último fruto da Autolatina

Clássicos 17 Set 2022

O último fruto da Autolatina

Por Irineu Guarnier

“Casamentos” e “divórcios” – por vezes litigiosos – são mais ou menos frequentes na indústria automóvel a nível mundial. A soma do que cada empresa sabe fazer melhor para o desenvolvimento de novos modelos com custos reduzidos, o que os especialistas chamam de sinergia, tem levado grandes construtores a coabitarem sob o mesmo teto para enfrentarem os seus principais concorrentes. Às vezes, essa estratégia rende bons produtos, outras vezes, nem tanto.

No Brasil, entre os anos de 1987 e 1996, duas marcas gigantes, com uma longa tradição no país, a Volkswagen e a Ford, decidiram “juntar os seus trapinhos” para fazerem frente ao crescimento de outras marcas, como a Fiat, e, mais tarde, à concorrência com os importados que começavam a chegar ao país em volumes crescentes a partir da abertura do mercado automóvel, promovida pelo presidente Fernando Collor em 1991.

Neste contexto, nasceu a Autolatina. A Volkswagen, que detinha 34% do mercado, ficou com 51% das ações. E a Ford, dona de uma fatia mais modesta de 21%, assumiu os 49% restantes da sociedade. A holding Autolatina passou a controlar 60% do mercado brasileiro de automóveis e 30% do argentino. Não houve fusão ou incorporação, mas um acordo operacional, que era vantajoso tanto para a Volkswagen como para a Ford.



As duas marcas passaram a partilhar fábricas, plataformas e motores. E desenvolveram, juntas, uma série de bons produtos, como o luxuoso sedan Versailles, a Station Wagon Royale, o Verona, o Apollo, o Pointer e o Logus. Automóveis que fizeram bastante sucesso na sua época.

Do portfólio relativamente pequeno da Autolatina, um dos modelos mais bem-sucedidos foi o Volkswagen Logus, também chamado de “Escort da Volks”, porque utilizava a plataforma do mundialmente famoso compacto da Ford. O Logus foi fabricado por apenas quatro anos, entre 1993 e 1997, as últimas mil unidades foram montadas após o final da Autolatina.

O design do elegante sedan médio de duas portas foi concebido em Turim, na Itália, pelo estúdio Ghia, e finalizado pelo departamento de estilo da Volkswagen do Brasil, sob a orientação do designer Luiz Alberto Veiga. Além do incrível coupé esportivo, o coeficiente aerodinâmico do Logus era um dos melhores da época com apenas 0,32.

O automóvel teve diversas versões, a CL, GL, GLS, CLi, GLSi e contou com três tipos de motores. O Ford AE-1600 de 1,6 litro, o Volkswagen AP-1800, de 1,8 litro, e também o VW AP-2000 de dois litros. Começou alimentado por um carburador tradicional e recebeu, em seguida, o polêmico “carburador eletrônico” e, finalmente, uma moderna injeção eletrônica.

Com motor de dois litros e uma injeção multiponto, chegou a ser considerado o Volkswagen mais rápido feito no Brasil, alcançando os 194 km/h nos testes de uma conceituada revista nacional. Em 1995, a luxuosa Wolfsburg Edition, em homenagem à sede da matriz, ganhou rodas de liga leve maiores (14”) e, ao motor 2.0, foram incorporados uns cavalinhos a mais.

A produção do Logus acabou com o melancólico final da Autolatina. O veículo foi o último rebento desta breve união. O “divórcio” foi amigável. Cada uma das duas grandes construtoras seguiu seu o caminho. Mas muitos dos automóveis criados pela Autolatina ainda são lembrados com saudosismo por petrolheads brasileiros. Alguns exemplares estão a tornar-se objectos de culto e coleção. O Logus, sem dúvida, tem um lugar garantido na galeria dos “futuros clássicos” verde-amarelos.

01
02
04
05
06
08
09
10
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
32
previous arrow
next arrow
01
02
04
05
06
08
09
10
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
32
previous arrow
next arrow


Irineu Guarnier Filho é brasileiro, jornalista especializado em agronegócios e vinhos, e um entusiasta do mundo automóvel. Trabalhou 16 anos num canal de televisão filiado à Rede Globo. Actualmente colabora com algumas publicações brasileiras, como a Plant Project e a Vinho Magazine. Como antigomobilista já escreveu sobre automóveis clássicos para blogues e revistas brasileiras, restaurou e coleccionou automóveis antigos.

Fotografias: Eduardo Scaravaglione 


TAGS: Autolatina Volkswagen Volkswagen Logus


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment