Cinco Messerschmitt que fizeram história na Segunda Guerra Mundial

Clássicos 03 Jun 2022

Cinco Messerschmitt que fizeram história na Segunda Guerra Mundial

Durante o período em que ocorreu a Segunda Guerra Mundial, a Messerschmidt produziu os aviões de combate mais avançados ao serviço da Alemanha, tendo um papel fundamental na Guerra e mesmo após, com vários avanços tecnológicos desenvolvidos. Reunimos neste artigo cinco das mais importantes aeronaves produzidas pela Messerschmitt.

Bf109


 
O Bf109 é o avião de combate alemão mais famoso da Guerra, produzido com base no avião civil Bf108, mas ao contrário deste, que levava quatro ocupantes, o avião de combate leva apenas o piloto. Entrou ao serviço em 1937, provando, desde logo, o seu valor. Entraram em acção durante a Guerra Civil Espanhola, através da Legião Condor. Estes aviões foram fundamentais no início da Segunda Guerra, pois foi com eles que a Alemanha conseguiu invadir a Polónia e a França e na Batalha da Grã-Bretanha. O Bf109E tinha um motor melhor, assim como armas superiores, em relação aos aviões das forças britânicas, nos momentos iniciais. Várias foram as versões produzidas do Bf109, devido aos diferentes campos de batalha para o qual eram usados. Continuaram a ser produzidos mesmo após o fim da Guerra, através da empresa checa Avia. A meio dos anos 50 a produção cessou, com mais de 35.000 unidades produzidas. A Força Aérea Espanhola foi a última a ter estes aviões ao serviço, tendo sido retirados a 27 de Dezembro de 1965.

Bf110


 
O Bf110 foi desenvolvido quase ao mesmo tempo que o Bf109, apesar de ser um avião completamente diferente, sendo uma combinação de um avião de combate pesado e um bombardeiro de alta velocidade. O Bf110 entrou ao serviço durante a invasão da Polónia, a Setembro de 1939. Devido à sua eficácia, a produção aumentou, passando para os 100 Bf110 produzidos por mês, em 1940. Mas tinha um grande defeito, que era a sua fraca maneabilidade, que o fazia vulnerável em relação aos aviões dos Aliados, como os Spitfire e os Hurricane. Posteriormente, passou a ser utilizado, maioritariamente, como avião de combate nocturno, sendo ainda mais eficaz após a montagem de radar. Foram produzidas pouco mais de seis mil unidades. Foi retirado de serviço logo após o final da Guerra.

Me410


 
Devido ao sucesso do Bf110, a Messerschmitt iniciou o desenvolvimento do seu sucessor, o Me210. Mas este provou ser instável, tendo sido produzidos somente 200 unidades e o Bf110 continuou a ser produzido. Ao invés de deitar por terra todo o desenvolvimento, os engenheiros aperfeiçoaram o modelo, dando um novo nome, Me410, tendo uma fuselagem maior, “slats” automáticos e um motor mais potente. As funções do Me410 eram as mesmas do Bf110. Entrou ao serviço a Janeiro de 1943, sendo utilizado como bombardeiro nocturno no Reino Unido, movendo-se, posteriormente, para combater aviões Aliados no Mediterrâneo.  A partir de 1944, passou a ser utilizado para defender a Alemanha de bombardeamentos nocturnos dos Aliados, combatendo também as forças russas. A arma mais pesada montada no Me410 era uma de 50mm montada sob a fuselagem, nas versões Me410A-1/U4. Era uma arma devastadora, mas também muito difícil de operar, devido ao seu recuo. A produção terminou em Setembro de 1944, com pouco mais de mil unidades produzidas, mas nunca conseguiu ser tão eficaz como os Bf110. Retirou-se após o final da Guerra.

Me163 Komet


 
O Messerschmitt Me163 era um avião de alta performance, movido a jacto, com um desenho peculiar. Além dos seus motores potentes, outro grande trunfo era a disposição das asas, sendo um dos primeiros aviões com asas em flecha. Foi muitas vezes equipado com armas experimentais, tais como a SG 500 Jagdfaust. Entrou ao serviço em Julho de 1944, e na época era duas vezes mais rápido que qualquer avião Aliado, foi o primeiro avião a exceder os 1000km/h, sendo também bastante compacto e ágil. Mas isto causava um problema, pois devido à sua grande velocidade, os pilotos teriam de ser bastante rápidos para conseguir atingir os seus alvos. Outro grande problema era o elevado consumo de combustível. Cerca de 370 exemplares foram produzidos.

Me262


 
O Messerschmitt Me262 foi o avião de eleição da empresa alemão, já que foi o primeiro avião a jacto totalmente operacional. A produção foi sendo adiada, primeiro pelo próprio exército e, posteriormente, pelos bombardeamentos dos Aliados, em Agosto de 1943, à fábrica da Messerschmidt. Além disso, problemas de performance e fiabilidade abrandaram a produção. Demorou mais de dois anos, desde os primeiros testes, até à produção do avião, entrando em combate em Julho de 1944. Estava equipado com 24 misseis e quatro canhões de 30mm, era um avião bastante mortífero, no entanto, o impacto não foi grande, já que havia grande dificuldade em os meter no ar. Mais de 1400 Me262 foram produzidos, mas somente 300 entraram em combate, devido à falta de combustível, peças suplentes e pilotos treinados, outros foram destruídos pelos Aliados, antes mesmo de começarem a voar.


TAGS: Messerschmidt


PARTILHAR:

2
Deixe um comentário

Please Login to comment
1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
RafaelMr José Oliveira Oliveira Recent comment authors
Mr José Oliveira Oliveira
Visitante
Mr José Oliveira Oliveira

Continuo sem perceber o que fazem artigos sobre aviação num site de automóveis clássicos. Não, não se preocupem em responder porque todos sabemos que não há resposta. É apenas absurdo.

Rafael
Visitante
Rafael

Já ouviu falar em motor?
Aliás, a fabrica Messerschmitt também fabricava carros.
E amigo, em vez de ficar brabinho com a matéria, faz o seguinte, pula essa, leia outra.