Os dez melhores momentos da carreira de Ayrton Senna

Competição 01 Mai 2022

Os dez melhores momentos da carreira de Ayrton Senna

Ayrton Senna era um ídolo por entre o povo brasileiro e português, um herói mesmo para muitos. Infelizmente, a sua carreira terminou de forma abrupta no acidente no Grande Prémio de Itália, em Imola, há exactamente 28 anos. Esse acidente mudou, de forma radical, a Fórmula 1 e ainda hoje está bastante presente na memória dos adeptos. Seguidamente, iremos apresentar os dez melhores momentos da carreira de Senna, sem esquecer que existem muitos mais.


#10 Uma aula de condução defensiva – Grande Prémio Britânico de 1993


O ano de 1993 marcou o fim de Senna na McLaren, com este a seguir para a Williams na temporada seguinte. O próprio disse que com o automóvel da McLaren nunca poderiam ser uma ameaça para a Williams. Isso ficou demonstrado no Grande Prémio Britânico de 1993, no circuito de Silverstone, Senna partiu de quarto, passando de seguida para a frente do pelotão, tendo feito manobras de defesa incríveis para manter Alain Prost e Michael Schumacher na sua traseira. Ainda assim, Senna não evitou ser ultrapassado por ambos ao final de seis voltas, acabando em 5º lugar. No entanto, as suas manobras de defesa são deveras impressionantes.


#9 Ultrapassar as adversidades – Grande Prémio de Espanha de 1990


Este Grande Prémio, disputado no Circuito de Jerez, ficou marcado pelo acidente de Martin Donnelly, no seu Lotus 102, nas qualificações. Senna ao ver o aparato e o estado em que ficou o piloto não estava com vontade em sentar-se no seu McLaren MP4-5B, mas ainda assim, saltou para os comandos do automóvel, para fazer os últimos minutos de qualificação e, para surpresa de todos, bateu ainda o seu melhor tempo. No dia seguinte melhorou ainda mais o seu tempo, para ficar com a sua 50ª Pole da carreira, tendo ainda evitado um desastre ao passar pelos automóveis de Nelson Piquet e de Olivier Grouillard quase parados, após terem decidido ter uma discussão em plena pista. Na corrida, Senna foi forçado a abandonar devido a problemas com o radiador do seu automóvel.


#8 O triunfo do cérebro sobre a força bruta – Grande Prémio de Espanha de 1986


O Grande Prémio de Espanha de 1986, realizado no Circuito de Jerez, ficou marcado por uma excelente gestão de Senna, combinando com a sua condução de “faca nos dentes”. Senna soube gerir o desgaste dos pneus no seu Lotus 98T, enquanto Nigel Mansell teve de parar nas boxes a dez voltas do fim para trocar os seus. No entanto, para o final da corrida, Senna já estava sem pneus, tendo mesmo um dos Goodyear um furo lento, o que obrigou o brasileiro a baixar o ritmo e a defender ao máximo. Senna vence o Grande Prémio por apenas 0.014 segundos para Mansell.


#7 Heroísmo fora do cockpit – Grande Prémio da Bélgica de 1992


O Grande Prémio da Bélgica, ocorrido no circuito de Spa-Francorchamps, foi aquele que demonstrou o lado humano de Ayrton Senna. O piloto Erik Comas saiu violentamente de pista durante os treinos, ficando inconsciente com o seu pé preso no pedal do acelerador. Senna, ao passar por ele, parou de imediato o seu automóvel para o socorrer, aplicando técnicas médicas que aprendeu com o seu amigo Sid Watkins. Após ativar o corte eléctrico do Ligier de Comas, Senna ficou a segurar na cabeça do piloto até à equipa médica chegar.


# 6 O primeiro título que quase que escapou – Grande Prémio do Japão de 1988


O Grande Prémio do Japão de 1988, realizado no Circuito de Suzuka, foi aquele que deu a Senna o seu primeiro título de pilotos, mas, ao mesmo tempo, foi aquele que parecia que à partida estava perdido. Devido a problemas com o cabo de embraiagem, Senna ficou parado no arranque para a corrida, arrancando apenas na 16ª posição. Ao final da primeira volta, Senna era já o 8º e, na volta 27, estava já em segundo lugar. Na volta 28, Senna tomou a iniciativa de ultrapassar o seu colega de equipa Alain Prost, vencendo o Grande Prémio, assim como o título de pilotos.


#5 Aquela primeira volta – Grande Prémio da Europa de 1993


O Grande Prémio da Europa de 1993 teve lugar em Donington Park e Senna protagonizou uma primeira volta soberba, provavelmente a melhor volta de sempre na história da Fórmula 1. Debaixo de chuva, terreno favorito do piloto brasileiro e num traçado de apenas 4km, Senna passou de quinto na primeira curva, para primeiro na última curva da primeira volta, lugar que manteve até ao final da corrida.


#4 O nascimento da lenda Senna – Grande Prémio do Mónaco de 1984


O Grande Prémio do Mónaco de 1984 ficará para sempre na história por ter sido aquele onde a lenda Senna nasceu, comprovado pelo comentador da BBC e antigo Campeão do Mundo de Fórmula 1, James Hunt, que disse mesmo que Senna seria um futuro campeão. Uma corrida que aconteceu debaixo de chuva, terreno que ficaria para sempre por ser o favorito de Senna, o piloto brasileiro partiu do final do pelotão com o seu Toleman, estando em segundo na volta 19. É preciso ressalvar que além de estar o piso molhado, o Circuito do Mónaco não é propício a ultrapassagens. Senna continuou a perseguição ao primeiro lugar, estando cada vez mais próximo, até que a corrida foi interrompida à volta 31, devido às condições climatéricas. Senna acabaria mesmo por passar Alain Prost, mas a volta 32 já não contaria para o resultado final.


#3 A primeira pole, e a primeira vitória – Grande Prémio de Portugal de 1985


O Grande Prémio de Portugal de 1985, realizado no Circuito do Estoril, ficará para sempre na história por ter sido aquele onde Senna conquistou a primeira Pole e a primeira vitória. Debaixo de chuva, Senna conseguiu ser cerca de um segundo mais rápido que o seu colega de equipa da Lotus, Elio de Angelis, durante a corrida.


#2 A vitória em casa que não lhe seria negada – Grande Prémio do Brasil de 1991


Senna há muito que queria vencer no seu Grande Prémio, no entanto, nos seis anteriores, ocorridos no Circuito de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, nunca o conseguiu. Em 1991, no Autodromo José Carlos Pace, em São Paulo, Senna acabaria por conseguir a sua primeira vitória, não sem antes a sua caixa de velocidades ficar apenas com a sexta velocidade na volta 60, reduzindo a diferença para o segundo classificado, Riccardo Patrese de 40 segundos para apenas três em onze voltas. Senna ficou tão exausto que parou o McLaren MP4-6 na pista, após passar a linha da meta e foi para o pódio no carro médico.


#1 Uma volta de outro mundo – Grande Prémio do Mónaco de 1988


O Grande Prémio do Mónaco de 1988 ficou também marcado por uma volta de outro mundo protagonizada por Ayrton Senna na qualificação, com o próprio a dizer que estava noutra dimensão e cada vez puxava mais pelo automóvel, tendo a melhor volta 1,5 segundos da melhor do seu colega de equipa Alain Prost. Infelizmente, durante a corrida Senna teve de desistir devido a um acidente, saindo vitorioso o piloto francês.

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube