Passeio do Ingleses: A tradição continua

Eventos 04 Mar 2022

Passeio do Ingleses: A tradição continua

 A 18ª edição do “Passeio dos Ingleses” concentrou, este Sábado, em Lisboa e no Porto, mais de 250 dos mais belos exemplares automóveis de identidade britânica. A prova que a paixão pelos automóveis ingleses está bem viva e recomenda-se.

Históricos, clássicos, pré-clássicos ou contemporâneos. Nos automóveis, a idade é quase um pormenor, desde que o espírito seja britânico. É este o lema do “Passeio dos Ingleses” que, desde a primeira edição, em 2004, granjeia adeptos e admiradores das mais belas máquinas construídas em terra de Sua Majestade. Quem vem pela primeira vez, por norma, repete a experiência, e alicia novo entusiastas, aumentando, ano após ano, a comunidade de aficionados de carismáticos automóveis com ADN britânico.

Mais do que uma concentração de automóveis de inquestionável valor histórico e até económico, são as experiências, vivências e histórias de cada automóvel presente que, todos os anos, fazem do “Passeio dos Ingleses” um momento verdadeiramente especial e único, para quem o vive por dentro, mas também para o público.  


Um veículo presente na concentração é a do Bentley T1 Coupe Sport que outrora acompanhou toda a vida do empresário e benemérito António Champalimaud, que sempre o considerou o seu melhor investimento face à sua durabilidade, e que, agora, marcou presença com o seu actual proprietário, ou a história do Bentley MK6 de 1947, com a primeira carroçaria que a marca britânica produziu em fábrica e que José Carlos Barquinha, o seu proprietário há mais de 25 anos, levou à concentração do Porto. Dois dos muitos exemplos que tornaram a edição 2022 histórica.   

E se a Bentley, marca patrocinadora do evento, foi pródiga a proporcionar emoções, modelos e histórias, outros construtores também se fizeram “ouvir” e “sentir”. Por exemplo, esteve presente o único Triumph Mayflower de 1951 comercializado em Portugal, de apenas dois que existem em Portugal, ainda no seu cinzento original, que Rui Marques estreou no evento do Porto, ou do Austin 1800 MK2 S, de 1971, que António Santos admite ser o único exemplar “vivo” dos seis que chegaram a Portugal e que levou mais de seis anos a restaurar. 

Para a história desta 18ª edição, também ficam as emoções familiares, com diversas gerações a partilharem o mesmo gosto pelos automóveis britânicos. Contos de pais e filhos, como a do coleccionador e empresário, Aquiles de Brito, que se fez munir do Jaguar E-Type 3.8 com que o seu pai, Achilles de Brito, fundador da centenária empresa de sabonetes Ach. Brito, chegou a vencer o Circuito de Montes Claros, enriqueceram o espólio deste “Passeio dos Ingleses”.  

Num Sábado solarengo, ideal para muitos dos descapotáveis ingleses presentes acentuarem ainda mais a sua beleza, a diversidade de modelos voltou a ser a nota dominante, com muitos deles a representarem verdadeiros ícones da indústria automóvel. Tanto no evento de Lisboa como no Porto, estiveram concentrados modelos de mais de 20 marcas, com destaque, para além da Bentley, da Jaguar/Daimler, MG e Triumph, mas também da Rolls-Royce, Aston Martin, Lotus, Morgan, Austin-Healey e TVR, entre outras.  

Ao todo, participaram 256 automóveis, em dois eventos distintos, direccionados para os aficionados dos modelos de fabrico britânico de Lisboa e do Porto.  

A sul, os 175 participantes começaram por se concentrar no Parque Eduardo VII, em Lisboa, altura perfeita para as últimas “afinações” das máquinas e sorrisos antes de uma descontraída jornada de cerca de 170 quilómetros, que só terminaria à hora de almoço, já no distrito de Leiria, mais propriamente em Ortigosa, na requintada Quinta do Paúl.  

Pelo meio, fez-se a divisão por dois percursos distintos, com o “Grupo Desportivo” a rumar ao Kartódromo de Fátima, para pôr à prova a rapidez dos bólides ingleses numa simbólica complementar de regularidade, e o Grupo “Turístico” a dirigir-se à peculiar vila de Óbidos, num ritmo de passeio mais tranquilo.  

A norte, o “Passeios dos Ingleses” trouxe, uma vez mais, o glamour dos clássicos britânicos ao Porto, com a partida a ter lugar na Avenida D. Carlos I, junto ao Passeio Alegre. Sob as famosas palmeiras que se alinham na marginal da Foz do Douro, a concentração não tardou a juntar centenas de curiosos, logo pela manhã, que quiseram ver de perto alguns dos mais belos e exclusivos exemplares fabricados no país de Sua Majestade. 

Ao todo, o evento juntou 81 “celebridades” britânicas, que representaram 13 marcas, com a MG e a Jaguar a serem responsáveis por mais de metade do pelotão. Já na estrada, a caminho do almoço na Casa de Vila Verde, em Caíde de Rei, Lousada, os participantes dividiram-se, mais uma vez, entre o “Grupo Desportivo” e o “Grupo Turístico”, com os primeiros a levarem os seus clássicos e contemporâneos ingleses a uma acelerada visita ao Kartódromo de Fafe e os segundos a optarem por uma mais recatada concentração no emblemático Mosteiro Pombeiro, em Felgueiras.  

Uma jornada memorável, conforme destaca Luís Cunha, Secretário-Geral do ACP Clássicos, “A 18ª edição do ‘Passeio dos Ingleses’ voltou a traduzir-se num excelente convívio, onde os aficcionados dos automóveis ingleses voltaram a reencontrar-se e a retomar a sensação de ‘normalidade’ pós-pandemia, com um pretexto muito válido para todos: a paixão pelos automóveis ingleses”. 

Passeio_dos_Ingles_2022_1
Passeio_dos_Ingles_2022_3
Passeio_dos_Ingles_2022_4
Passeio_dos_Ingles_2022_5
Passeio_dos_Ingles_2022_6
Passeio_dos_Ingles_2022_7
Passeio_dos_Ingles_2022_8
Passeio_dos_Ingles_2022_9
Passeio_dos_Ingles_2022_10
Passeio_dos_Ingles_2022_11
Passeio_dos_Ingleses_2022_2
previous arrow
next arrow
Passeio_dos_Ingles_2022_1
Passeio_dos_Ingles_2022_3
Passeio_dos_Ingles_2022_4
Passeio_dos_Ingles_2022_5
Passeio_dos_Ingles_2022_6
Passeio_dos_Ingles_2022_7
Passeio_dos_Ingles_2022_8
Passeio_dos_Ingles_2022_9
Passeio_dos_Ingles_2022_10
Passeio_dos_Ingles_2022_11
Passeio_dos_Ingleses_2022_2
previous arrow
next arrow


TAGS: ACP Clássicos Passeio dos Ingleses


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment