Walter Röhrl sagrou-se Campeão do Mundo de Ralis num Opel Ascona 400 há 40 anos

Competição 25 Fev 2022

Walter Röhrl sagrou-se Campeão do Mundo de Ralis num Opel Ascona 400 há 40 anos

A Opel e os ralis estão ligados por uma longa história. Presentemente, um Corsa-e Rally 100% eléctrico a deslizar nas curvas na série ADAC Opel e-Rally Cup e é uma visão com descendência directa aos lendários automóveis e pilotos de ralis da Opel das décadas de 70 e 80. Após os sucessos do Kadett GT/E e do Ascona A, o ponto alto surgiu na temporada de 1982, ano em que Walter Röhrl conquistou o título de Pilotos do Campeonato do Mundo de Ralis, aos comandos de um Opel Ascona 400 de tracção traseira, face à forte concorrência com tracção às quatro rodas. Apesar dos notáveis feitos de engenharia da época, foi essencial contar com um piloto muito especial para tornar o sonho do título numa realidade.

Walter Röhrl, um fã de desporto desde tenra idade desde futebol, remo, esqui e, acima de tudo, o desporto motorizado nasceu em Regensburg em 1947. “Fazer ralis, mais do que competir em circuito” foi uma decisão consciente para o jovem bávaro. Em 1973, então com 26 anos, Röhrl já conduzia para a Opel, tendo Jochen Berger como navegador e esta dupla venceu o Campeonato Europeu de Ralis no ano seguinte. O automóvel que os levou ao título foi um Opel Ascona A, de fábrica. No ano seguinte, Röhrl venceria o seu primeiro rali do Campeonato do Mundo, também o primeiro para a Opel. O talentoso jovem piloto e a marca rica em tradição separaram-se em 1977, sendo que, nessa altura, ninguém suspeitaria que o maior triunfo desportivo conseguido em conjunto estava ainda por acontecer.

Em 1982 Walter Röhrl regressou à Opel com Jochen Berger como Chefe de Equipa do departamento de competição da Opel, o seu novo copiloto seria Christian Geistdörfer, ele que também deu um contributo decisivo para o sucesso da denominada “Missão Monte Carlo”. Com o Opel Ascona 400, a equipa liderada pelo Engenheiro-Chefe Karl-Heinz Goldstein concebeu um automóvel de ralis considerado, na altura, como uma das máquinas mais fiáveis. O automóvel de tracção traseira com uma potência máxima de 260cv foi perfeitamente afinado para o que Röhrl pudesse provar as suas capacidades contra o Audi Quattro de tração integral na então 50ª edição do Rali de Monte Carlo.


Na biografia “Aufschrieb” de Röhrl, Goldstein descreve como foi relevante a combinação de um automóvel de capacidades comprovadas com as de um piloto determinado. Declarou, “Antes da última noite, ele tinha uma vantagem de apenas 31 segundos sobre o Audi do Hannu Mikkola”. Röhrl ganhava o lendário “Monte” pela segunda vez, a primeira com a Opel, no que foi um início perfeito para a época do Mundial de Ralis de 1982.

Esse Campeonato do Mundo de Ralis de 1982 transformou-se num verdadeiro thriller nas rondas seguintes, algo que é, ainda hoje, relembrado por muitos. O duelo fez-se entre Röhrl, no Opel Ascona 400, e Michèle Mouton, num Audi Quattro. Sabendo que os automóveis de rali, com tracção às quatro rodas, tinham vantagem sobre a neve, terra e superfícies soltas Röhrl, um estratega com nervos de aço, esperou pelos momentos decisivos para marcar pontos com o seu Opel.

O plano compensou. Na penúltima ronda desse campeonato, o Rali da Costa do Marfim, com 5000 quilómetros e que, definitivamente, não era um dos eventos favoritos de Röhrl, decidiu-se o título mundial de Pilotos. Enquanto o Opel Ascona 400 funcionou sempre sem problemas, imune aos exigentes esforços que lhe eram pedidos, os seus adversários não se destacaram tanto pela fiabilidade. Klaus Buhlmann comenta em “The Opel Rally Story”, “O resultado deste Campeonato do Mundo, no entanto, pareceu justo. A Opel alcançou duas vitórias em ralis do mundial e a Audi conseguiu sete. Mas enquanto Mikkola e Mouton falharam, várias vezes, de uma forma espectacular, Röhrl venceu com a fiabilidade de um computador. O seu recorde de terminar classificado em excelentes posições é único na história deste desporto e merece o mais alto reconhecimento. Certamente, o sucesso de um piloto invulgar, mas seguramente, também, os méritos de uma boa equipa e do Opel Ascona 400, provavelmente o automóvel de ralis mais fiável da sua época!”

Com esta combinação única, a Opel e a dupla Röhrl/Geistdörfer prevaleceram com sucesso contra o Quattro de tracção integral e garantiram o título de Pilotos do Campeonato do Mundo de Ralis, somando 109 incontestáveis pontos.

Walter Röhrl é famoso pelo seu perfeccionismo, bem como por ser muito directo no seu discurso. Ele queria simplesmente provar que era o melhor piloto de ralis do mundo, ao volante de qualquer automóvel. Enquanto outros pilotos tinham, por hábito, ficar a conversar ou a fumar na zona das assistências, ele permanecia no seu automóvel a estudar as notas para a especial seguinte.

Como piloto, Röhrl é idolatrado por fãs do desporto motorizado em todo o mundo. Como desportista intransigente, sem medo de exprimir a sua opinião, goza do maior respeito dos seus pares. A sua personalidade fica, provavelmente, bem resumida pelas palavras de um dos seus contemporâneos, o ex-piloto e Diretor do departamento de competição da British Leyland, John Davenport, que o descreveu na revista Motor Sport, em 2002, como, “Uma mistura muito especial de sublime talento, foco inabalável e brutal honestidade”.

Hoje, depois de 40 anos após esses sucessos no Opel Ascona 400, o brilhante piloto bávaro comemora mais um grande aniversário. A 7 de Março de 2022, Walter Röhrl – descrito no “Opel Rally Story” como o “táctico, lutador e estratega de aço, adorado pelos seus fãs e temido pelos seus adversários” – irá completar 75 anos.

Walter Röhrl
04-Opel-71026
06-Opel-258477
07-Opel-518480
Walter Röhrl, Juli 2012
previous arrow
next arrow
Walter Röhrl
04-Opel-71026
06-Opel-258477
07-Opel-518480
Walter Röhrl, Juli 2012
previous arrow
next arrow


TAGS: Opel Opel Ascona 400 Walter Röhrl


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment