Dicas para vender um clássico

Clássicos 15 Mai 2021

Dicas para vender um clássico

Se chegou ao momento em que tem clássicos a mais ou quer passar para algo diferente, talvez tenha chegado a hora de vender.

A venda é um processo difícil, se gostamos do veículo que temos, mas é o caminho mais racional para embarcar em mais compras. E já que é para vender, convém fazê-lo bem. Eis algumas dicas.


Preparar para vender

A melhor maneira de preparar a venda é recordar-se da compra. Pense no que foi que o atraiu na compra do seu clássico ou o que levou a desistir de comprar outro. Aí encontrará boas pistas para como se preparar para agora o vender.

Deve limpar devidamente o veículo antes de o mostrar, mas sem procurar mascarar defeitos, como fugas. Aceite as pequenas falhas e seja honesto quanto a elas, pois isso cria confiança no comprador.

Faça uma revisão. Ter a certeza de que o automóvel está em perfeitas condições para os próximos milhares de quilómetros, é útil para o comprador, mas ainda mais para si, pois dá-lhe uma consciência tranquila de que fez a sua parte para que tudo corra bem.

Retire antecipadamente todos os acessórios que não queira incluir no negócio. Como exemplo, mostrar o clássico com um belo auto-rádio de época e removê-lo antes da entrega é incorrecto, e mesmo sem intenção, pode fazer gorar o negócio.

Faça uma lista dos pontos menos bons, para garantir que não se esquece de os referir ao cliente. Essa é uma forma de garantir que não terá desavenças após a venda.

Prepare todos os documentos do automóvel e confirme que tudo está em dia, desde a inspecção ao seguro.


Definir um preço

Existem vários guias internacionais com cotações que podem ser uma boa orientação, sobretudo quanto às variações em face da condição do exemplar a ser vendido.

No entanto, Portugal é um mercado com algumas particularidades que podem afectar o valor de um exemplar nacional, para o bem e para o mal. Em alternativa, pesquise todos os sites de classificados e todas as publicações especializadas que contenham anúncios de automóveis do mesmo modelo e compare.

Depois de analisar, seja honesto e questione-se de qual a verdadeira condição em que se encontra o seu exemplar quando comparado com os melhores.

O preço dificilmente pode ser calculado somando o valor que pagámos pelo clássico ao valor que no entretanto gastámos em manutenção e melhoramentos. Contudo, se efectuou intervenções muito profundas, ou mesmo um restauro, terá argumentos para justificar um preço mais elevado.

Uma importante mais-valia é a Certificação de Interesse Histórico.

Seja qual for o preço que considera justo, acrescente uma margem para negociar. A negociação é quase uma questão cultural, sobretudo no sul da Europa. Aceite o “jogo”, mesmo que não o aprecie, pois a inflexibilidade total, pode fazer esfriar o impulso de compra.


Anunciar

O anúncio é, muitas vezes, o que define o sucesso ou insucesso de uma venda. Transparência, imagem e informação, são essenciais.

Liste o mais detalhadamente possível o modelo e versão, apresente o veículo resumidamente, mas de forma completa, realçando os pontos fortes, mas sem transmitir uma ideia errada da condição em que se encontra. É importante não criar falsas expectativas, fotografe bem. Escolha um sítio no exterior, bem iluminado, de preferência com um fundo neutro. Fotografe todos os detalhes que considere importantes, incluindo motor, interior e todos os ângulos da carroçaria, estabeleça também a forma e hora de contacto e seja disponível e rápido nas respostas.


Escolher o local e hora

Por uma questão de segurança, escolha bem o local onde mostrar o automóvel e, de preferência, não esteja só. Prefira locais com bastante movimento.

Mostre o veículo durante o dia, não só por uma questão de segurança, mas também por permitir que se veja melhor as virtudes e defeitos.
De dia, é também mais fácil e seguro permitir um test-drive, mas sempre que possível acompanhe o potencial comprador e garanta que está sempre no controlo da situação.


Escolher o comprador

Pode parecer brincadeira, mas é importante. Escolha bem a quem vender. Certifique-se de que quem quer comprar é bem-intencionado e apaixonado pelos clássicos. Não hesite em fazer perguntas acerca da motivação de compra. É preferível vender a quem esteja dentro do espírito e já tenha experiência com clássicos, pois esses compreenderão melhor as limitações e os riscos implicados na compra.
Vender a um comerciante, pode significar ceder um pouco mais na negociação do valor, mas também pode significar outro nível de confiança e rapidez no negócio.


Documentação

São essenciais o documento único, bem como o certificado de inspecção e seguro. O seu seguro deve ser deixado válido nas 24 horas após a troca de titular, de modo a permitir que o novo proprietário possa conduzir o veículo no regresso a casa. A lei prevê essa possibilidade, mas também invalida automaticamente a cobertura da apólice após esse prazo.

Se o comprador for da sua inteira confiança, poderá entregar-lhe uma declaração de venda preenchida e assinada após o pagamento e deixar que seja ele a tratar do registo. Caso o comprador seja um desconhecido, exija acompanhá-lo ao Registo Automóvel para efectivar a transferência de titular, pois isso poderá poupar dissabores.


Poderá obter mais informações sobre este tema em O Meu Clássico.


TAGS: O Meu Clássico


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment