Cinco passos para tirar o seu clássico da garagem na Primavera

Clássicos 09 Abr 2021

Cinco passos para tirar o seu clássico da garagem na Primavera

Nenhuma quantidade de luz artificial irá curar a saudade de um condutor conduzir o seu automóvel, principalmente quando o tempo está demasiado frio para andar num clássico. Felizmente, a Primavera chegou, o que significa que muitos de nós estamos a trabalhar afincadamente para tirar os nossos automóveis da garagem e directamente para a estrada. Se ainda não o fez, é provável que esteja a planear ir à garagem durante o fim-de-semana para retirar a capa do seu clássico e cumprimentar um amigo de todas as ocasiões, para uma nova temporada de longos passeios e memórias.

Por mais tentador que seja dar à chave e seguir, é sempre mais sensato verificar se está tudo em ordem, de forma a evitar que esta estação seja interrompida por um problema que podia ter sido evitado. Passamos a apresentar cinco passos que deve seguir de forma a garantir que tem tudo preparado para ter mais uma Primavera de sucesso.


Limpar e inspeccionar


Mesmo que o seu automóvel tenha passado os últimos meses resguardado pela sua capa, pode sempre levar uma limpeza a fundo antes de sair da garagem. A melhor parte deste processo é que permite ao condutor estar em contacto com todas as partes do seu veículo. Uma simples volta em torno do seu automóvel faz com que não repare em pormenores e detalhes mais pequenos que podem ser visíveis numa limpeza completa. Demore o tempo necessário, limpe todo o seu clássico com um pano de microfibras ou até mesmo uma barra de argila. Mantenha sempre ao seu lado um bloco de notas e uma caneta, aponte todas as irregularidades que observar, assim como as alterações que possam ter surgido. Pode também acompanhar estas notas com fotografias, o que lhe permitirá perceber e analisar melhor como os componentes se estão a gastar ou envelhecer.

Se tiver essa possibilidade, coloque o automóvel num elevador, ou até mesmo em preguiças, e tente ver ao longo da carroçaria. Siga as tubagens dos travões desde a sua origem até ao destino, inspeccione visualmente a suspensão e verifique o chão por baixo do seu veículo para perceber se houve alguma fuga de líquidos ou um tubo que se tenha soltado nos últimos meses em que esteve parado. Mais uma vez, a documentação deste processo é importante. Alguma alteração de maior relevância terá que ser resolvida antes de sequer dar à chave.

Enquanto isso, aproveite para limpar e trocar as armadilhas e pesticidas que foram colocados à chegada do Outono.


Combustível, pneus e óleo


Comece a inspeccionar pela parte que preferir, mas nunca se esqueça de verificar estes três pontos antes de sequer chegar perto da ignição. A pressão dos pneus terá alterado durante o tempo em que o automóvel esteve parado, portanto, confirme se existe degradação, quebras ou alterações nos pneus, sendo que esta parte do automóvel só recebe atenção quando é colocado um novo, ou existe a necessidade de os encher, por qualquer motivo que seja, até porque muitas das vezes colocamos os pneus e esquecemos que estes sofrem desgaste, mesmo parados. Procure os códigos inscritos nas laterais dos pneus, e assim consegue perceber quando foram criados e desenhados, mantendo assim todos os seus passageiros em segurança enquanto fazem o tão esperado passeio no clássico da família.

Usou estabilizador no depósito do combustível quando arrumou o seu automóvel pela última vez, correcto?

Verifique o nível do óleo e a condição geral em que se encontra. Normalmente é recomendado colocar óleo novo num veículo quando este vai para arrumação. Deste modo, quando for altura de voltar para a estrada, deverá atestar algum que se possa ter perdido em fugas, facilitando todo o processo. Se quiser ser zeloso e tiver os conhecimentos, pode preparar o circuito de óleo antes do primeiro arranque. Esta é uma tarefa bastante fácil na maioria dos motores, mas requer girar o veio de transmissão da bomba de óleo.


Travões


Para a evitar colocar o seu automóvel em marcha, só para perceber que os travões não estavam preparados para voltar a circular da forma mais trágica. Verifique sempre este ponto. De forma a confirmar esta questão faça uma inspecção visual. Pode mesmo realizar um teste de pressão no pedal. Comece por imaginar que está a seguir a uma velocidade normal e calque o pedal como se fosse a efectuar uma paragem, após isso, largue o mesmo. Logo de seguida, simule uma travagem de emergência em que carrega no pedal a fundo, aplicando a força que normalmente faria nesta situação. Se notar que este aos poucos e poucos vai afundando cada vez mais, ou que até mesmo cede em alguma instância, deve verificar os bombitos, linhas de travões e tudo o resto de forma a assegurar que o problema se resolva sem danos associados.


Comece devagar, parado


Finalmente, chegou o momento de ligar o motor. Mesmo que o tenha ligado algumas vezes durante o inverno, aproveite esta oportunidade para o deixar aquecer, verificar e ouvir com toda atenção se existe alguma anomalia no ralenti, nas temperaturas, se surge fumo ou algum barulho fora do habitual.


Conduzir


Tire o seu automóvel da garagem, comece por uma ou duas voltas a baixa velocidade, só para que se possa habituar novamente ao seu tão estimado clássico. A não esquecer que clássicos têm travões a condizer e, por isso, pode ser necessário um pouco de tempo para se acostumar, após ter passado os últimos meses a conduzir um veículo mais moderno, com outras características. Se alguma coisa não estiver bem tome nota disso, de forma a que assim que pare, ou volte a casa, consiga verificar a questão que surgiu.

Esperamos que esta Primavera com o seu clássico lhe traga tantas boas memórias quanto as que teve até agora.


TAGS: Clássicos


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment