O primeiro amor

Clássicos 20 Fev 2021

O primeiro amor

Por Irineu Guarnier

Tenho um caso de amor antigo com a marca DKW. Foi o primeiro automóvel que dirigi de verdade, aos 13 anos – um lindo Belcar cinza com teto branco (saia-e-blusa, como se dizia na época), de meu pai. Mas, para ser honesto, meu relacionamento com a marca alemã era um pouco mais antigo. Com 9 ou 10 anos eu acompanhava um tio, ornitólogo amador, e três primos em expedições dominicais pelas matas do Noroeste do Rio Grande do Sul em busca de pássaros raros. E nosso meio de transporte naquela época, meados dos 1970, era uma Vemaguet verde – a pequenina perua derivada do sedan DKW, que foi o primeiro automóvel inteiramente fabricado no Brasil.
 
Enquanto meu tio e meus primos se embrenhavam pelos matagais com binóculos, máquinas fotográficas e alçapões atrás de seus amados passarinhos, eu ficava encarregado de vigiar o carro estacionado à margem das estradinhas desertas de chão batido. A chave na ignição e o botãozinho branco da partida no painel (como nos carros de hoje) eram uma tentação irresistível para o guri magrelo que devorava revistas de automobilismo.
 
Quando me certificava de que não havia ninguém por perto, tomava coragem e ligava a Vemaguet. Nas primeiras vezes, como meu tio geralmente deixava o câmbio engatado em primeira marcha para compensar a precariedade do freio de estacionamento, levei alguns sustos – o carro pulava para a frente. Mas logo aprendi a colocar a delicada alavanca do câmbio (instalada na coluna da direção) em ponto morto. Aí, era só o prazer de escutar o sonoro pópópópó do motorzinho de dois tempos e três cilindros…
 
Em pouco tempo, no entanto, esse prazer se tornou insuficiente para mim. Eu queria realmente movimentar o carro. Observando meu tio dirigir, descobri a função do pedal de embreagem e o seu uso coordenado com o acelerador. Daí em diante, nada mais me segurava. Engatava a primeira marcha, soltava lentamente a embreagem e rodava alguns metros para a frente; depois, engatava a marcha a ré e fazia o mesmo para trás. Por cautela, não me arriscava a ir além desses modestos deslocamentos em linha reta. Mas era como se já soubesse dirigir a DKW.
 
Fiquei tão desenvolto nessas manobras de vaivém que, algum tempo depois, quando finalmente meu pai concordou em me ensinar a dirigir e assumi pela primeira vez o volante do nosso Belcar, saí rodando naturalmente sem trancos. Nem preciso dizer que o velho Irineu que, declaradamente, não levava muita fé no meu potencial de motorista, ficou bastante impressionado com a revelação de minha insuspeitada perícia. “Esse guri leva jeito pra coisa”, dizia ele, orgulhoso, para minha mãe. “Viu como arrancou e conduziu bem o carro na primeira vez?”
 

01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
previous arrow
next arrow

 
Fotografias: Eduardo Scaravaglione


Irineu Guarnier Filho é brasileiro, jornalista especializado em agronegócios e vinhos, e um entusiasta do mundo automóvel. Trabalhou 16 anos num canal de televisão filiado à Rede Globo. Actualmente colabora com algumas publicações brasileiras, como a Plant Project e a Vinho Magazine. Como antigomobilista já escreveu sobre automóveis clássicos para blogues e revistas brasileiras, restaurou e coleccionou automóveis antigos.


TAGS: DKW Vemaguet


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment