X-Bow, quando a KTM decide lançar um automóvel

Modernos 31 Jan 2021

X-Bow, quando a KTM decide lançar um automóvel

Por Tiago Nova

A KTM é conhecida por fabricar motociclos, sendo a segunda maior fabricante de motos da Europa. Até que lançou o X-Bow, apresentado no Salão de Genebra de 2012, um automóvel desportivo desenvolvido para um nicho específico de mercado, para àqueles que procuram o prazer da condução. É quase como um Lotus Seven do século XXI, produzido em fibra de carbono e com muita tecnologia empregue. O desenho esteve a cargo da Kiska Design.
 
O X-Bow foi desenvolvido e produzido com a ajuda dos italianos da Dallara, um dos maiores fabricantes de automóveis de competição, tendo desenvolvido vários fórmulas, inclusivamente Fórmula 1, e vários protótipos de Le Mans. O chassis monocoque é produzido integralmente em fibra de carbono, com caixas de deformação na frente e traseira, sendo esta última integrada na panela de escape. A suspensão é de triângulos sobrepostos, com pushrod na frente, composto por molas e amortecedores da WP Suspension. Os travões são provenientes da Brembo, com pinças de quatro pistões e discos de 305mm na frente e de dois pistões e discos de 262 mm na traseira.
 
Para melhorar a aerodinâmica, foi montado um difusor na traseira, produzindo 200kg de força descendente a 200km/h, com toda a aerodinâmica desenvolvida no túnel de vento da Dallara. Pode atingir forças de 1,23g’s em curva, muito mais elevado que a maioria dos automóveis. A carroçaria é extremamente radical, sem tejadilho, portas e um pequeno para-brisas, estando todos os elementos expostos, tal como numa moto. Vem equipado com jantes 17” na frente, com pneus 205/45 e jantes 18” na traseira com pneus 235/40.
 
O outro parceiro no desenvolvimento do X-Bow é a Audi, cedendo o seu motor TFSI de quatro cilindros, integralmente em alumínio, equipado com injeção directa de gasolina, 16 válvulas, dupla árvore de cames à cabeça, turbo e intercooler, com 2.0L de cilindrada e uma taxa de compressão de 10:1, debitando 240cv às 5500rpm e 310Nm entre as 2200 e as 4000 rpm, para um automóvel que pesa cerca de 700kg. O motor foi montado numa posição central e a potência é transmitida para as rodas traseiras, através de uma caixa de seis velocidades manual, proveniente da Volkswagen, podendo vir com autoblocante. Existe também a possibilidade de vir equipado com a caixa de dupla embraiagem S tronic. Atinge os 100km/h em 3,9 segundos, chegando aos 217km/h de velocidade máxima.
 
O interior é resumido ao essencial, parecendo um automóvel de competição. O condutor e passageiro são fixados às baquets através de cintos de quatro pontos, existindo a opção de cintos de cinco pontos. Em caso de capotamento, existem duas barras de protecção, integradas no design do automóvel. A pedaleira pode ser ajustada, para acomodar melhor o condutor.
 
Este modelo encontrou bastantes compradores, tendo feito com que a KTM aumentasse a produção da fábrica perto de Graz, na Áustria, das 500 para as 1000 unidades produzidas por ano. Os primeiros modelos produzidos tinham certas diferenças, como a saída de escape central, ao invés de duas de cada lado da panela e jantes com aperto de porca central, ao contrário das de cinco furos. A partir de 2012, passou a contar com o motor de cinco cilindros turbo da Audi, de 2.5L.
 

previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
previous arrownext arrow
Slider

TAGS: KTM X-Bow


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment