Suitcase Car: Uma interpretação de mobilidade pessoal

Arquivos 28 Dez 2020

Suitcase Car: Uma interpretação de mobilidade pessoal

Estávamos no início da década de 90, altura em que o optimismo estava no ar com o fim da Guerra Fria, apostando-se na tecnologia em prol de uma maior produtividade, permitindo uma aproximação do planeta. Tudo parecia possível. Viviam-se, também, momentos emocionantes na Mazda, marca que assoberbada com a elevada procura que o seu então novo roadster MX-5 registava, se tornaria, em 1991, no primeiro construtor japonês a alcançar a vitória nas 24 Horas de Le Mans e o único a fazê-lo, até ao presente, com um modelo equipado com um motor rotativo. Conhecida pelo constante desafio das convenções, nesse mesmo ano a Mazda apresentava, também, o estudo Mazda HR-X, conceito equipado com um motor a hidrogénio.

A atmosfera predominante de confiança vivida na sede em Hiroshima levou à implementação de iniciativas como a “Fantasyard”, uma competição interna que se realizou entre os anos de 1989 e 1991, na qual equipas de diferentes departamentos se gladiavam, apresentando ideias criativas de mobilidade. Inimaginável na actual realidade do mercado automóvel global, fruto das restrições orçamentais cada vez mais apertadas, esta “Fantasyard” reunia, há três décadas, reacções muito positivas, sublinhando a abordagem “fora da caixa” por que a Mazda é, ainda hoje, conhecida. Uma das edições deste encontro de ideias viria a premiar um conceito particularmente criativo.


Falamos do “Suitcase Car”, que se pode traduzir livremente como “Mala Motorizada”, um conceito de três rodas supostamente inspirado por uma visão de locomoção pelos aeroportos de uma forma mais eficiente. Aos seus criadores, um grupo de sete engenheiros da unidade de testes e pesquisa de transmissões manuais da Mazda, foi dado um pequeno budget para que pudessem dar vida a esta sua visão, que lhes permitiu, depois, lançar mãos à obra, adquirindo uma motorizada em miniatura (vulgo Pocket Bike) e a maior mala de estrutura dura que puderam encontrar no mercado.

O resultado foi simples, mas engenhoso, aproveitando-se algumas peças dessa mini-motorizada, nomeadamente o seu motor a dois tempos de 34cc, que se viu embutido numa mala Samsonite de 57 por 75 centímetros. O veículo demora apenas um minuto a montar: basta girar o conjunto da roda dianteira com o guiador e travões para uma posição vertical, fazendo-o sair através de uma tampa amovível da mala, encaixar no exterior as rodas traseiras, colocar o banco em cima do eixo traseiro e já está. O motor de 1,7cv poderia levar esta engenhoca a atingir velocidades máximas de 30 km/h.

Este “Suitcase Car” ajudou a projectar o ADN da Mazda de diferentes modos. Não só era um conceito divertido de conduzir, fruto do seu muito baixo centro de gravidade, semelhante ao de um kart e do próprio Mazda MX-5, como também canalizou o espírito inventivo daquele que foi o primeiro veículo de produção da empresa, o Mazda-Go, popular veículo de três rodas, originalmente lançado em 1931.


Fruto de um peso de 32 kg, esta mala motorizada não era exactamente prática, pelo menos na perspectiva de bagagem, mas embora a sua produção em massa nunca tivesse sido considerada, este pequeno três rodas portátil viria a merecer uma ampla cobertura mediática, servindo os propósitos da Mazda como publicidade sobre rodas.

O eco e interesse, entretanto gerados, levariam a que a Mazda construísse mais dois exemplares, destinados a demonstrações nos E.U.A e na Europa, tendo a unidade europeia tido honras de exposição no Salão Internacional de Frankfurt de 1991, lado a lado com o Mazda 787B, vencedor de Le Mans.

Hoje apenas o exemplar usado nos E.U.A ainda existirá, tendo o original “Suitcase Car” sido “destruído acidentalmente”, enquanto a réplica europeia desapareceu em “circunstâncias desconhecidas”.


TAGS: mazda


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment