Tasmin, o primeiro da linhagem de modelos em cunha da TVR

Clássicos 10 Set 2020

Tasmin, o primeiro da linhagem de modelos em cunha da TVR

Por Tiago Nova

A TVR foi uma pequena fabricante de automóveis desportivos britânica, fundada em 1946 por Trevor Wilkinson e Jack Pickard. O nome TVR provém do nome do seu fundador TreVoR. Durante um período da sua história a TVR era a terceira fabricante de automóveis desportivos de baixa produção do Mundo. A história da TVR teve vários períodos conturbados, mas em 2006 a produção parou. Desde 2007 que existem planos para lançar um novo modelo, mas até agora ainda não foi concretizado, para além dos protótipos.

Em 1980, a TVR introduz uma nova série de modelos, conhecidos por Wedges, por terem um desenho em cunha. O primeiro modelo dessa série foi o Tasmin, desenhado por Oliver Winterbottom, estando disponível nas carroçarias coupé de duas portas e dois lugares, coupé de duas portas e 2+2 lugares e descapotável de dois lugares, estes dois últimos lançados dez meses após o primeiro. Do seu desenho resultava numa aerodinâmica excepcional para a época, com um coeficiente de apenas 0.36.

O Tasmin esteve em produção de 1980 a 1987, mudando a designação para 280i, em 1984. Ficará na história automóvel por ter sido o primeiro a ter um pára-brisas colado e por ser também o primeiro a ter a antena do rádio integrada no desembaciador traseiro. O chassis é tubular em aço, revestido com tinta em pó para uma melhor protecção anti corrosão e a carroçaria é construída em fibra de vidro. O chassis foi desenhado por Ian Jones, que tinha saído da Lotus, tendo sido um dos responsáveis pelos chassis do Elan, daí o desenho ser similar.


Tal como era usual na época, o Tasmin tem muitas peças que derivam de modelos Ford. A suspensão foi extraída de um Ford Cortina, com algumas peças do Granada e a TVR desenvolveu os braços traseiros. As molas e amortecedores foram modificados pela Armstrong. As caixas de velocidades eram extraídas dos modelos Cortina, Granada e Sierra. O Tasmin estava equipado com discos de travão nas quatro rodas, com os da frente extraídos do Ford Granada. O diferencial traseiro e os discos traseiros foram extraídos do Jaguar XJ-S, montados numa posição inboard. As pinças de travão de quatro êmbolos na frente saíram do British Leyland Princess.

Muitos outros componentes foram extraídos de outros automóveis, como os puxadores exteriores da portas do Ford Cortina e Capri, os puxadores interiores de um Austin Metro ou Triumph TR7, piscas da frente e laterais da segunda série da Lucas e aplicados nos Renault 12 e Peugeot 505, farolins traseiros do Ford Capri da terceira geração, Rover SD1 ou Renault Fuego, dobradiças da tampa da mala do Hillman Imp, ou extraídos dos cinzeiros dos Jaguar, ou nos últimos casos do DeLorean DMC-12. O radiador foi extraído dos Ford Granada da segunda geração ou dos Range Rover. A direcção varia consoante o ano de produção, começou por utilizar a do Triumph TR7, passando para o Rover SD1 e os últimos utilizam a do Ford Granada da terceira geração. O mecanismo de travão de mão é o mesmo utilizado no Lotus Esprit, assim como o mecanismo dos faróis escamoteáveis, que também podiam ser do TR7. No interior é possível ver a coluna de direcção e os mostradores do Austin Princess.


As jantes dos primeiros Tasmin eram de desenho próprio, produzidas pela Telcast, sendo que nos últimos poderiam vir com jantes da OZ. Os bancos eram produzidos pela Callow & Maddox Brothers, que forneciam também outros fabricantes britânicos.

Os motores também não poderiam ser diferentes e derivavam dos Ford. O Tasmin 280i, conhecidos depois por somente 280i, estava equipado com o motor V6 Ford Cologne de 2,8 litros de cilindrada e injecção Bosch, produzindo 162cv e 220 Nm de binário. Este motor estava acoplado a uma caixa de cinco velocidades manuais, podendo ser pedido uma caixa automática de três velocidades, sendo o primeiro TVR com essa opção. Em 1981, aparece o Tasmin 200, equipado com o motor de quatro cilindros em linha Ford Pinto TL20 de 2,0 litros de cilindrada desenvolvendo 101cv e 152 Nm e acoplado a uma caixa manual de quatro velocidades. Este último não teve muito sucesso e somente 16 exemplares foram produzidos na carroçaria coupé e 45 descapotáveis. O 280i chega aos 100 km/h em oito segundos e tem um peso de 1074 kg, enquanto o 200 atinge a mesma velocidade em mais um segundo e pesa 971 kg.

Em 1981 foi lançada a segunda série do Tasmin, incorporando várias melhorias e alterações, como um redesenho da suspensão frontal, agora idêntica à da Ford, sem as alterações da TVR. A própria carroçaria recebeu alterações, parecendo mais pequena na frente e maior na traseira. O motor V6 passou a debitar menos potência, situando-se agora nos 152cv. Em 1984 o nome Tasmin desapareceu, passando a ser vendido simplesmente como 280i. Até 1987, a TVR vendeu 1.187 Tasmin/280i, juntando-se ainda os 61 Tasmin 200. Existiu ainda uma versão Turbo, construída com base no 280i, mas, infelizmente, não passou de protótipo e somente dois exemplares foram construídos.

 

O Tasmin também foi vendido nos EUA, visto que o motor cumpria com os requisitos de poluição impostos e assim, a TVR voltou a esse mercado, após seis anos de ausência. No entanto, o Tasmin foi também o último modelo vendido pela TVR nesse mercado. Os primeiros 350i, lançados em 1983, equipados com o motor Rover V8, também se chamavam Tasmin inicialmente, mas após um ano esse nome saiu de cena.

previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

TAGS: TVR 280i TVR Tasmin


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment