Os onze automóveis todo-o-terreno menos conhecidos

Clássicos 29 Dez 2019

Os onze automóveis todo-o-terreno menos conhecidos

No mundo automóvel existe um tipo de veículos para aqueles mais aventureiros, que são os todo-o-terreno, pois assim, conseguem ir a locais impossíveis de outra maneira. Mas, enquanto alguns desses automóveis tornam-se icónicos, produzidos em grande escala e reconhecidos por todo o mundo, existem aqueles que não são tão conhecidos, ou até completamente desconhecidos pelos aficionados, devido à sua baixa produção e, consequentemente, raridade. Seguem-se onze exemplos de automóveis todo-o-terreno menos conhecidos.

Bowler Tomcat


 
A Bowler, fundada por Drew Bowler em 1985, é conhecida por desenvolver máquinas devastadoras em qualquer tipo de terreno. O Tomcat é o modelo menos conhecido, concebido em 1997 para as competições de todo-o-terreno, com uma estrutura tubular assente num chassis Land Rover, com uma carroçaria em fibra de vidro e um motor V8. Este modelo evoluiu para o mais poderoso Bowler Wildcat. Apesar de ser desenvolvido para a competição, existem alguns que circulam na via pública. No total, foram produzidas mais de 700 unidades.

Citroën 2CV Sahara


 
Se o Citroën 2CV não é raro, o mesmo não se pode dizer da sua versão Sahara, onde a tracção total era feita por dois motores, um na frente para mover as rodas frontais e outro na traseira para as rodas traseiras. Cada motor desenvolve 12 cv e tem o seu depósito de combustível separado, por debaixo dos bancos da frente. Ao todo foram produzidos 694 exemplares, de 1958 a 1971.

Citroën Mehari


 
Desta lista, o Citroën Mehari é o único de tracção frontal, apesar de haver versões 4×4, mas ao contrário do 2CV Sahara, este só tinha um motor. Foi concebido como um veículo de verão e de praia, com carroçaria em plástico, montada num chassis do Citroën Dyane 6 e equipado com um motor de 602 cc idêntico aos do Citroën 2C V6 e Ami. A versão 4×4 tinha um pneu suplente montado no capot, a carroçaria era mais larga e tinha grelha de protecção frontal e traseira. Esteve em produção de 1968 a 1988, com a produção a chegar às 144.953 unidades. A Renault também fez um automóvel semelhante e mais raro, o Rodeo 4.

Monteverdi Safari/Sahara


 
Pode parecer estranho, mas estes automóveis têm por base o International Scout, um automóvel todo-o-terreno americano, que também poderia fazer parte desta lista. O Scout atravessou o Atlântico e tornou-se mais requintado, com um interior luxuoso e cheio de pele. Poderia vir equipado com o motor Chrysler 440, um V8 de 7,2 litros de cilindrada, desenvolvendo 302 cv. O Safari é a versão de topo e onde recebeu mais melhoramentos e uma carroçaria elaborada pela Fissore, enquanto o Sahara é a versão mais básica e onde o design ficou mais parecido ao automóvel que lhe serve de base.

Moretti Sporting


 
O Sporting, construído com base no Fiat Campagnola, foi lançado em 1979 e foi o modelo que salvou a Moretti. Com linhas bastante rectas, tradicionais da época, como o Mercedes-Benz G ou os Land Rover. Apesar da nova carroçaria mais atraente e do maior luxo, quando comparado com o automóvel que lhe serve de base, o Moretti Sporting continua a ser um todo-o-terreno bastante capaz, equipado com um motor diesel de 2,5 litros. Só foi produzido durante dois anos e, se na época já era raro, hoje em dia é bastante difícil encontrar um exemplar.

Peugeot P4


 
O Peugeot P4 foi concebido para o exército francês para substituir os velhinhos Willys Jeep. À primeira vista parece um Mercedes-Benz G e no fundo 50% do automóvel é o mesmo, no entanto, utiliza um motor do Peugeot 504, caixa de velocidades do Peugeot 604 e sistema eléctrico desenvolvido pela Peugeot. Era construído sob licença da Mercedes-Benz, mas não poderia ser vendido fora do território francês. Poucos exemplares foram vendidos ao público, sendo bastante utilizados como veículos de assistência da Peugeot Sport no Rally Dakar, mas aqui estavam equipados com motor V6. Posteriormente, foi produzido pela Panhard.

Sbarro Windhound


 
Este automóvel era construído sob encomenda pela Sbarro, com base num chassis de um Mercedes-Benz G e equipado com um motor V8 de 6,9L da Mercedes-Benz. O interior era forrado a pele e muito luxo. Estava disponível nas carroçarias de duas ou quatro portas, existindo ainda uma versão 6×6. Ao todo foram construídas 14 unidades.

Treser Hunter


 
Ferdinand Piëch e Walter Treser foram os cérebros do desenvolvimento do sistema quattro da Audi. Após o Mundial de Ralis, Walter Treser saiu e fundou a sua própria empresa, para demonstrar o que era possível conceber com peças provenientes da Audi. Assim nasceram vários projectos como o Hunter, um automóvel com motor de cinco cilindros com 160cv, tracção integral quattro e que poderia subir gradientes de 45%, além de três bloqueios de diferencial. Poderia ser encomendado com motor turbo e aí a potência subia para os 250cv. Foram produzidos 45 exemplares das duas gerações existentes.

Volkswagen Golf Country


 
O Golf Country é como os SUV’s modernos, baseados num automóvel convencional, mas aqui, com maiores aspirações fora de estrada e, inclusivamente, o característico pneu suplente exterior na porta da mala. A sua transmissão integral é proveniente dos austríacos Steyr-Daimler-Puch, com componentes Syncro. Está equipado com o motor de 1,8 litros com 98 cv. No total, foram produzidos 7.735 exemplares.

Volkswagen Iltis


 
O Volkswagen Iltis, também conhecido por Type 183, foi o sucessor do DKW Munga, construído para o exército alemão. Foi desenvolvido por engenheiros da Audi e apesar de pouco conhecido, foi um modelo bastante importante na história da Volkswagen, pois contribuiu directamente para o sucesso da marca no WRC, assim como foi o pai dos sistemas de tracção integral quattro. A mecânica provém do Audi 100, com um motor de quatro cilindros e 1,7 litros de cilindrada. Para além do sucesso ao nível militar, o Iltis venceu o Rally Dakar em 1980, além de ter obtido o segundo e quarto lugar. A Bombardier construiu o Iltis sob licença para o exército canadiano e belga. Durante os dez anos em produção, de 1978 a 1988, foram produzidas 9.547 unidades.

Volvo C202/C303


 
Tanto o Volvo C202 como o C303 evoluíram do Volvo Laplander L3314 militar, que utiliza um motor de quatro cilindros B18 de 1,8 litros, com 65 cv. O C202 é a versão civil e melhorada do Laplander L3314, lançada em 1977. Utiliza o motor B20, de 2,0 litros de cilindrada e 82 cv de potência. Ao todo, foram produzidos 3.222 exemplares do C202. O C303 é o substituto dos anteriores, apesar de vendidos ao mesmo tempo durante um período, e utiliza um motor de seis cilindros B30 com 3,0 litros de cilindrada e 125 cv de potência.


TAGS: Bowler Tomcat Citroën 2CV Citroën Méhari Monteverdi Safari Monteverdi Sahara Moretti Sporting Peugeot P4 Sbarro Windhound Treser Hunter Volkswagen Golf Volkswagen Iltis Volvo C202 Volvo C303


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment