Morreu Niki Lauda, o superherói da F1

Clássicos 21 Mai 2019

Morreu Niki Lauda, o superherói da F1

Niki Lauda, piloto austríaco que se sagrou Campeão do Mundo de Fórmula 1 por três vezes – em 1975, 1978 e 1984 – morreu esta segunda-feira, aos 70 anos.
 
A notícia  foi avançada pelo jornal austríaco Die Presse e revelada pela família do histórico piloto de F1, Lauda tinha realizado um transplante pulmonar no Verão do ano passado e no início deste ano permaneceu durante várias semanas internado no hospital devido a uma pneumonia.

 
“É com profundo pesar que anunciamos que nosso querido Niki morreu de forma pacífica ao lado dos seus familiares. As suas conquistas únicas como atleta e empreendedor são e continuarão inesquecíveis, o seu incansável entusiasmo pela ação, a sua franqueza e a sua coragem permanecerão como um modelo e uma referência para todos nós. Ele era um marido, pai e avô amoroso e carinhoso longe do público e sentiremos a sua falta”, lê-se no comunicado enviado pela família do austríaco.
 
A carreira de Niki Lauda começou em 1968, quando tinha 19 anos, depois de se destacar na Fórmula 2 e 3, estreou-se na prova rainha do automobilismo pela March em 1971. Quatro anos volvidos subia ao lugar mais alto do pódio para celebrar o seu primeiro Campeonato do Mundo de Fórmula 1, no segundo ano em que vestiu as cores da Scuderia Ferrari. Voltaria a subir os degraus da glória por mais duas vezes, em 1978 e 1984.
 
Mas a sua maior vitória foi ter enganado a morte há 43 anos, após o acidente aparatoso que teve no GP da Alemanha disputado no Circuito de Nürburgring. Depois da ida às boxes para trocar os pneus de chuva pelos de piso seco, o Ferrari conduzido por Lauda saiu de pista e perfurou o depósito de combustível. O automóvel incendiou-se e Lauda foi transportado para o hospital de Manheim com queimaduras severas. Dada a gravidade das lesões e a possibilidade de não sobreviver Niki recebeu a extrema-unção.
 

 
42 dias depois do acidente Lauda voltou à competição em Monza, ficou à frente dos dois colegas da Ferrari na qualificação (Clay Regazzoni e Carlos Reutemann, o último contratado para substituir o austríaco) e terminou a prova num incrível quarto lugar. Na última corrida do campeonato que seria disputada em Fuji continuava na liderança, mas Lauda acabaria por desistir da prova dadas as condições do traçado e à chuva torrencial que teimava em não parar de cair.
 

 
No ano seguinte venceu o seu segundo título com as cores da Scuderia Ferrari e não se retirou da Fórmula 1 sem conquistar o terceiro, desta vez pela McLaren.
 
Após terminar a sua carreira manteve-se afastado durante vários anos da modalidade, dedicando-se à empresa de aviação que fundou. Regressou ao desporto que deu a conhecer o seu nome ao mundo no final da década de 90 pelas mãos da Ferrari, quando foi aceitou o cargo de consultor técnico extraordinário. Em 2001 mudou-se para a Jaguar, onde ocupou o lugar de director técnico, mas despediu-se passados dois anos devido aos maus resultados da equipa.
 
Em 2012, depois de quase dez anos fora da Fórmula 1, aceitou o convite da Mercedes AMG Petronas para ser presidente não executivo, cargo que ocupou até morrer.Teve um papel importante nas negociações que culminaram na transferência de Lewis Hamilton da McLaren para a Mercedes e nos cinco títulos de construtores consecutivos que a equipa alemã conquistou nos últimos anos, a par dos outros cinco consecutivos na classificação de pilotos, quatro conquistados por Hamilton e um por Nico Rosberg.
 

 
Um percurso invejável dentro e fora das pistas para a quem chegou a receber a extrema-unção!


TAGS: Ferrari McLaren Niki Lauda


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment