Mazda MX-5: A segunda geração

Clássicos 15 Dez 2018

Mazda MX-5: A segunda geração

Por Tiago Nova

O Mazda MX-5 é, sem dúvida, um desportivo icónico, que marcou uma época e que fez renascer um segmento que estava adormecido, sendo também o sucessor espiritual dos pequenos desportivos britânicos dos anos 50 e 60, também conhecido na América do Norte por MX-5 Miata e por Mazda/Eunos Roadster no Japão. Foi apresentado ao público em 1989, no Salão de Chicago e, desde então tem cultivado uma enorme legião de fãs, um pouco por todo o mundo. Resumidamente, é o automóvel descapotável de dois lugares mais vendido da história automóvel.

 

A segunda geração, conhecida por NB, apresentada no Salão de Tokyo de 1997 e lançada em 1998, após um atraso na produção, marcou o fim dos faróis escamoteáveis, que caracterizaram a primeira geração, isto porque esse tipo de faróis não passava nos testes de segurança em caso de atropelamento. Mas continuou a ter um design feliz, nomeadamente a frente, com o seu “sorriso” de farol a farol, design este que foi concebido por Tom Matano e baseado no protótipo apresentado em 1995 no Salão de Chicago, o Mazda M Speedster. O design não foi radicalmente alterado, mas sim mantido de forma simplista, como o MX-5 o é e, apesar de se verem muitas semelhanças, a verdade é que cada painel é diferente.

 

 

Em relação à geração anterior é um bocadinho mais largo e ficou mais aerodinâmico com um Cx de 0.36. Atrás, passou a contar com a janela traseira em vidro, ao contrário da primeira geração e um deflector de vento. Os farolins são praticamente idênticos aos do modelo anterior, mas com um desenho interior diferente. As barras estabilizadoras também são maiores. O interior tem mais espaço para os ocupantes, podendo vir com bancos em pele, volante Nardi, o painel de instrumentos tem fundo azulado e passou a vir de série com airbag para o condutor e passageiro. Como opcional, poder-se-ia ainda adquirir um hardtop na cor da carroçaria, para os dias de inverno.

 

Os motores disponíveis eram todos de quatro cilindros e começava no B6-ZE de 1.6L de capacidade DOHC e 16 válvulas, que debitava 108 cv às 6500 rpm e 134 Nm às 5000 rpm. O mais potente era o motor BP-4W de 1.8L (quase a ser considerado 1.9L, pois tinha 1840 cc), com 16 válvulas e dupla árvore de cames à cabeça e que passava a debitar 140 cv às 6500 rpm e 162 Nm de binário às 5000 rpm. Isto porque a taxa de compressão aumentou para os 9,5:1, devido ao novo desenho dos pistões, que agora são forjados, assim como as bielas. As touches de admissão são diferentes e tem cames mais agressivas.

 

 

Nesta geração foi também introduzido o VICS (Variable Intake Control System), onde tem dois canais para a admissão, o mais longo, com uma borboleta, que faz aumentar a pressão no seu interior, de modo a ter melhor resposta a baixas rotações e que muda para o canal mais curto e de fluxo livre, para a máxima aspiração. Isto melhora a potência e o binário, durante toda a faixa de rotação, assim como melhora a eficiência de combustível. Acoplado a estes motores está uma caixa de cinco velocidades manual de curso curto e muito bem escalonada. O ABS era um elemento opcional.

 

Em 2001, o Mazda MX-5 NB recebe um ligeiro facelift. Nesta actualização, os faróis contêm agora “olho de boi”, os para-choques da frente são diferentes e os faróis de nevoeiro passam a ser de série. No interior o painel de instrumentos recebe um fundo branco, com ponteiros vermelhos, um novo volante e novos bancos, com maior suporte lateral, nova consola central, aros cromados, entre outros pormenores.

 

 

O chassis foi reforçado, tendo ganho 16% de rigidez de flexão e 22% na rigidez torsional. O motor 1.6L passou a debitar 110 cv e o motor 1.8L foi completamente revisto, tendo um novo código (BP-Z3) que passa agora a contar com variação sequencial no tempo de abertura das válvulas de admissão, o sistema S-VT. Com isso a potência aumenta para os 146 cv e o binário para os 168 Nm. Em 2005 entra a terceira geração do MX-5, o NC, terminando assim a produção do MX-5 NB. Durante todo o seu tempo de produção o MX-5 contou com diversas edições especiais, tal como aconteceu na geração anterior e nas seguintes, mas esse tema será abordado noutro artigo.

 

O que contribui para uma boa condução é o facto de ter uma distribuição de peso praticamente 50/50, suspensão independente nas quatro rodas de triângulos sobrepostos e um baixo centro de gravidade.

 

No equipamento de topo, o Sport, vinha com jantes Enkei de 15” de cinco raios com pneus 195/50 R15. Trazia também um diferencial autoblocante Torsen, travões maiores, molas e amortecedores específicos da Bilstein e após o facelift vinha com caixa de 6 velocidades, jantes 16” com pneus 205/45R16 e reforços extra no chassis. Opcionalmente, poder-se-ia incluir ainda uma barra AA na frente Tudo isto para tornar o modelo ainda mais divertido de se conduzir.

 

Em conclusão, o Mazda MX-5 é um modelo marcante na história automóvel que ainda hoje surpreende e que é de grande sucesso para a Mazda, tanto é que após quase 30 anos depois do lançamento do primeiro modelo, este já vai na sua quarta geração, continuando com um design fabuloso.

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube