Yugo: Provavelmente o pior automóvel de sempre

Arquivos 17 Set 2018

Yugo: Provavelmente o pior automóvel de sempre

Por Abílio Santos

Será o Yugo o pior automóvel da história? Mas que, de 1985 a 1991, vendeu mais de 141 mil unidades nos EUA! Vamos conhecer melhor a história desta marca peculiar de automóveis da ex-Jugoslávia.

 

O seu nome, Yugo, tem origem no nome do próprio país onde foi produzido, a  Yugoslávia. O primeiro automóvel Yugo foi produzido na fábrica Zastava Automobili a 2 de Outubro de 1978, praticamente em modo manual.

 

A Zastava Automobili produzia, sob licença da Fiat, o Zastava 101, em meados da década de 70, com base nas linhas e na mecânica do Fiat 128, produzindo também uma versão “hatchback” vendida em Itália sob a marca da Innocenti.

 

yugo-311

 

Em 1981, com o “know-how” e intervenção dos engenheiros da Fiat era produzida uma evolução do Zastava, que ao invés de ser consequentemente o Zastava 102, foi denominado de Yugo 45, para efeitos de exportação. O Yugo 45 era um automóvel com umas linhas simples, numa carroçaria de dois volumes com três portas, pequeno com 3,5 metros, e leve, pesando apenas cerca de 800 Kg, com um motor de 900 cc, e atingindo 135 Km/h de velocidade máxima.Precisava era de quase meio minuto (!) para atingir os 100 Km/h.

 

Entretanto foram lançadas as versões, Yugo 55 com 1.100 cc e 56 cv, o Yugo 65 com 1.300 cc e 65 cv, e o Yugo 65 EFI com 1.400 cc e 65 cv que chegava aos 100 Km/h em 15 segundos! Nos anos seguintes foram lançando outros modelos como uma versão 65 cabrio, em 1988. Em 1989 foi apresentado o Skala, com carroçaria de dois volumes e meio. Com umas linhas pensadas por Giorgetto Giugiaro, surgia o Yugo Florida, com motores de 1.4 e 1.6 de cilindrada (conhecido por Sana nalguns países), em 1990, muito parecido com o design do Citroen ZX.

 

A Zastava Automobili chegou a produzir no seu melhor ano cerca de 230 mil unidades do Yugo, exportando para cerca de 70 países.

 

A incursão do Yugo nos EUA

 

A entrada da marca de automóveis Yugo ficou a dever-se ao empresário Malcolm Bricklin,  que já era importador da Fiat e Subaru, através da sua International Automobile Importers. O objectivo de Malcolm era servir os consumidores que detinham um fraco poder de compra mas desejavam um automóvel novo.

 

Em meados de 1985, começou por colocar à venda, no mercado norte-americano, a versão 55 GV, com motor 1.1 ao preço imbatível de 3.990 dólares. Também tinha disponível a versão GVL, com um interior melhorado, e o GVX com uma motorização de 1.3, jantes especiais e ailerons a conferir uma aparência mais desportiva. Para o mercado norte-americano também chegou a versão cabrio do Yugo, em 1988.

 

O Yugo, com um preço tão competitivo, rapidamente tornou-se o automóvel europeu mais vendido nos EUA, tendo chegado a total de mais de 141 mil vendas, conseguindo no melhor ano vender 48.500, em 1987. O sucesso do Yugo nas vendas foi proporcional ao acumular de fortes críticas, relativas à falta de qualidade de construção e fiabilidade.

 

A revista “Car and Driver” apelidou o Yugo de “automóvel descartável da Bic”, enquanto a “Consumer Reports” era de opinião que “mal se qualificava como automóvel”.

 

O ano de 1991, marca o fim das vendas do Yugo nos EUA, não atingindo as 4 mil unidades. O relato da história do peculiar Yugo nos EUA, foi inclusive abordada num livro de Jason Vuic, com o título de “O Yugo: A ascensão e queda do pior automóvel da História.

 

Exposição de Arte Yugo

 

Mas a provar que o Yugo não passou despercebido ao público norte-americano, realizou-se, em 1995, em Washington, uma curiosa exposição a cargo da prestigiada School of Visual Arts de Nova York, intitulada de “Art Yugo”. Aqui o veículo foi mostrado e transformado nas coisas e aspectos mais variados, desde um submarino, um piano, uma bola de futebol, ou um telefone fixo.

 

screenshot_2018-08-07-22-11-34-1

 

screenshot_2018-08-07-22-15-14-1

 

O princípio do fim do Yugo

 

Na década de 1990, a produção do Yugo enfrentou diversas dificuldades, no período das guerras em terras jugoslavas. A produção era instável em consequência das falhas dos fornecedores da matéria prima, dos transportes, agravada ainda pelas sanções económicas e comerciais impostas à Jugoslávia quer pela ONU, entre 1992 e 1995, quer pelos EUA e países da Europa, de 1998 a 2000.

 

Durante a guerra no Kosovo a fábrica do Yugo, em Kragujevac, foi bombardeada pelas forças aliadas da ONU. Por lapso, ou por alegadamente fabricar armamento militar, constituiu um alvo militar.

 

A partir de 2000 foi retomada a produção na fábrica Zastava reconstruída pelo governo Sérvio. Dois anos volvidos, era lançado o modelo Koral, com um motor de 1.3 de injecção, com 80 cv, e um restyling das linhas. Em 2005, é produzido outro modelo o Zastava 10, baseado no Fiat Punto, que já havia sido lançado, em Itália, no ano de 1999.

 

As vendas foram diminuindo até que encerrou a produção em Novembro de 2008, atingindo um total de 795 mil veículos.

 

A publicidade à volta do Yugo

 

As críticas e piadas ao Yugo eram imensas, desde uma catástrofe sobre rodas a automóvel de brincar, ou que era para toda a vida porque os proprietários não iriam conseguir convencer ninguém a comprá-lo! Os anúncios publicitários tiveram grande influência no volume de vendas do Yugo.

 

Nos EUA, os slogans principais foram:

 

p03961n3

 

“Toda a gente precisa de um Yugo, em algum momento” destacando em cima o preço de 3.990$.

 

screenshot_2018-08-07-22-07-29-1

 

“Apresentando a mesma ideia antiga” surgindo ao lado de um VW carocha e de um Ford T.

 

Em Espanha, era “Yugo, a surpresa” fazendo referência à tecnologia compatível e sublinhando o preço baixo de 799.900 pesetas!

 

screenshot_2018-08-07-22-09-06-1

 

Em Inglaterra, o cartaz era bastante apelativo: ” O melhor da sua classe”

 

yugo-publicidad-gv-uk-757x1024

 

 

Participações do Yugo nos filmes de Cinema e na Televisão

 

Apesar de não ser uma estrela famosa nos automóveis, o Yugo apareceu em inúmeros filmes, tais como:

 

– Em “Na Selva de Cristal III” onde é conduzido por Bruce Willis e Samuel L. Jackson, numa fuga;

– No “Homem de ferro II” ;

– Em “Bowfinger, o ladino” com Eddie Murphy e Steve Martin;

– Nos filmes “O Corvo” e  “Jogador” de Mark Wahlberg;

– Em ” Apocalipse ” e ” Homem-Aranha”;

– Em “O Homem de Novembro” com Keanu Reeves.

– No grande sucesso infantil ” Carros 2″ onde o Yugo interpreta o papel do vilão Victor Hugo;

 

 

Apareceu também em séries conhecidas da televisão norte-americana como “Malcolm” e “Coisas de Casa”.

 

Inevitavelmente foi alvo de várias análises depreciativas no famoso programa de automóveis britânico “Top Gear”, onde foi comparado com o poderoso Bentley Mulsanne.

 

 


TAGS: Yugo


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment