Ana Guedes Rodrigues e o Maserati Levante SQ4

Modernos 27 Out 2017

Ana Guedes Rodrigues e o Maserati Levante SQ4

Por Hélio Valente de Oliveira

O primeiro SUV da Maserati… poderá parecer um sacrilégio. Uma marca com este pedigree fazer um veículo destas características? Bom, outras marcas, como a Jaguar e a Porsche já operam neste mercado com bastante sucesso. As leis do mercado assim o ditam e se a sobrevivência destas passa por aqui, tudo bem. Para os entusiastas mais puristas julgo que será melhor uma Maserati com saúde financeira, mesmo através destes produtos, do que o contrário. Sobrará sempre espaço para o desenvolvimento de outros modelos, mais hardcore, tanto do agrado de um público mais exigente e… também mais exíguo.
 
10
 
4
 
15
 
14
 
Achei interessante, para esta apresentação convidar uma pessoa fora do mundo automóvel, a ideia seria obter uma opinião mais isenta, uma percepção mais pura e linear. Depois lembrei-me que seria ainda mais interessante se essa pessoa fosse mulher. As mulheres, regra geral, têm opiniões completamente divergentes dos homens, no que respeita a automóveis. Julgo que terá a ver com um conjunto de prioridades diferentes e com um sentido essencialmente prático, relegando para segundo plano outros aspectos mais subjectivos que os homens, por norma, valorizam talvez em demasia.
 
11
 
16
 
Convidei a Ana Guedes Rodrigues que simpaticamente acedeu em experimentar o Levante. Não lhe disse que versão era, talvez para deixar a surpresa em aberto. Para alguém não habituado a automóveis muito potentes, os 430cv e os 580Nm de binário desta versão podem ser um pouco intimidantes. No entanto, o excelente sistema de tracção integral digere todas as solicitações deste V6 com uma eficiência quase assombrosa, tornando a condução bastante agradável e, diria mesmo muito civilizada.
 
21
 
A primeira reacção quando confrontados com automóveis deste género é sempre muito interessante e a Ana deixou escapar um “É extremamente bonito!”.
 
Uma vez a bordo do Levante, a atmosfera é tipicamente Maserati, com pele a revestir praticamente todas as zonas do habitáculo.
 
“Os bancos são lindos de morrer, em pele clara, com um bom contraste com o exterior. O posto de condução parece um cockpit, pela informação disponibilizada ao condutor e a enorme quantidade de botões. Gostava de ter tempo para ver o que cada um faz! Nota-se que privilegia o conforto, entre outras coisas, o grau de ajuste do banco e do volante. Muito fácil de encontrar a posição de condução perfeita.” – comentou a Ana.
 
26
 
Enquanto tentávamos fugir ao trânsito, resolvi demonstrar um dos interruptores na consola central, e alterei o modo de condução para Sport2, precisamente o que deixa o acelerador mais sensível e abre as válvulas de escape permitindo ao V6 respirar mais livremente, libertando as potencialidades sonoras fora do normal, com um incremento bastante notório na espectacularidade da experiência.
 
18
 
Como seria de esperar, em estrada aberta, o Levante é majestoso e imponente. O cuidado de execução é notório e reage às solicitações do condutor como um todo e sem hesitações. O comportamento, apesar de ser um automóvel alto, de dimensões generosas, está ao melhor nível…e o motor corresponde a todo o momento. Quando as condições permitiram, uma depressão mais solícita do acelerador e somos empurrados para a frente com uma determinação que o tamanho deste Maserati não deixaria antever. “Espanta-me o comportamento em velocidade, para um carro com esta altura. Cola-se literalmente à estrada! A suspensão firme deixa sentir o pavimento, mas de uma maneira que não afecta o conforto. Ao mesmo tempo, não adorna nada a curvar depressa…”
 
Refira-se que os dotes de condução da Ana foram uma agradável surpresa. Muito segura e decidida, mesmo numa nova situação algo peculiar… e com um quê de desconforto inicial. Julgo que foi uma experiência muito positiva, pelo menos para mim…
 
17
 
Depois de dado como completo o nosso teste e do necessário de-briefing, à laia de conclusão, a Ana ainda acrescentou: “Foi o automóvel mais potente que conduzi. Pede, ou melhor, chora para andar mais… e o barulhinho é muito engraçado. O contraste entre o aspecto visual e o ruído que faz é muito giro! Permite uma utilização familiar, e em modo Sport é óptimo para viagens mais solitárias e aguerridas. Ahh…e gostei muito do aviso de ângulo morto do retrovisor. É muito útil e um bom acréscimo à segurança.”
 
13
 
Agradecemos a colaboração de Ana Guedes Rodrigues e da Tridente (220 122 744), na realização deste ensaio.
 
19
 
Ana Guedes Rodrigues é uma jornalista portuense. Foi repórter, é pivot, apresentadora e atualmente é também diretora de informação do Porto Canal.
Nasceu no Porto e vive em Gaia. Começou a carreira na TVI Porto, passou pela TVI Algarve e fez parte da equipa fundadora do Porto Canal durante os primeiros três anos do projeto. Voltou à TVI, desta vez, em Lisboa, onde foi repórter e pivot do Diário da Manhã e depois, do Jornal da Uma.
A gravidez de gémeos e a vontade de construir uma família no Norte fez com que saísse da TVI.
 
Em 2013, aceitou o convite de Júlio Magalhães para reintegrar a equipa do Porto Canal. Atualmente acumula o cargo de diretora de informação com a apresentação de jornais e do programa Sexo à Moda do Porto.
 


TAGS: Hélio Valente de Oliveira Maserati Levante


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment