Ferrari 365 GTB/4 Daytona, o todo-poderoso

Arquivos 21 Ago 2017

Ferrari 365 GTB/4 Daytona, o todo-poderoso

No Salão de Paris de 1968, a Ferrari surpreendeu tudo e todos ao apresentar aquele que muitos considerariam um verdadeiro portento de automóvel: o 365 GTB/4. Baptizado de forma não oficial como “Daytona”- em homenagem ao pódio arrebatado pela marca de Enzo Ferrari nas 24 Horas de Daytona de 1967 – o modelo foi o último com motor na dianteira, concebido antes de a FIAT ter tomado as rédeas da marca do cavalinho.
 
Desenhado nos ateliers de Pininfarina e carroçado na Scaglietti, em Modena – utilizando processos manuais na transformação do aço na carroçaria e liga de alumínio nas portas, capot e tampa da mala – o fabuloso coupé era motorizado por um V12 com 4,4 litros de capacidade e quatro árvores de cames à cabeça. A alimentação ficava a cargo de um conjunto de seis carburadores Weber 40 DCN 20, na especificação europeia, e a potência chegava aos 352 CV. Numa época em que o luxo era tão ou mais importante quanto as prestações dos Grand Turismo, o Daytona não deixava os seus créditos por mãos alheias, ostentando uma lista de equipamento que incluía, entre outros predicados, ar condicionado, vidros eléctricos, interior forrado a pele Connoly, volante em madeira e auto-rádio das marcas Voxson ou Blaupunkt.
 
Não sendo um modelo leve, o Daytona era capaz de acelerar dos 0 aos 100 Km/h em escassos 5,9 segundos, registando uma velocidade máxima de 280 Km/h, marca que na altura era suficiente para lhe atribuir o título de carro de produção mais rápido do mundo.
 
Ao longo do tempo em que a Ferrari manteve o 365 GTB/4 em produção, o modelo foi sendo alvo de algumas alterações estéticas, de forma a acomodar a regulamentação norte-americana. Pouco tempo após a apresentação da versão Spider, em 1971, a Pininfarina viu-se obrigada a redesenhar a zona dianteira, substituindo os faróis carenados por unidades retrácteis. Nesse ano, alguns modelos foram carroçados com a zona dos faróis revestida a alumínio, dando a sensação que o plexiglass ainda era utilizado. Porém, esta solução estética depressa caiu em desuso. Ao nível da carroçaria e de forma a aumentar a resistência ao impacto lateral, as portas em alumínio foram substituídas por versões fabricadas em aço. No interior, o tablier ganhou um novo revestimento anti-encadeamento e o volante, de aro em madeira, foi trocado por um, de raio mais reduzido, revestido a pele.
 
Quando a produção terminou em 1973, a Ferrari tinha construído 1.284 unidades, 179 das quais com volante à direita e apenas 122 versões Spyder, das quais apenas sete com volante à direita.
 
Este e outros modelos icónicos da Ferrari podem agora ser vistos na exposição temporária “Ferrari: 70 anos de paixão motorizada”, patente no Museu do Caramulo.
 
Veja a galeria em baixo com algumas das melhores imagens do Ferrari 365 GTB 4 Daytona.
 

ferrari365daytona1
ferrari365daytona2
ferrari365daytona3
ferrari365daytona4
ferrari365daytona5
ferrari365daytona6
ferrari365daytona7
ferrari365daytona8
ferrari365daytona9
ferrari365daytona10
ferrari365daytona11
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
ferrari365daytona1
ferrari365daytona2
ferrari365daytona3
ferrari365daytona4
ferrari365daytona5
ferrari365daytona6
ferrari365daytona7
ferrari365daytona8
ferrari365daytona9
ferrari365daytona10
ferrari365daytona11
previous arrow
next arrow


TAGS: Ferrari Museu do Caramulo


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment