O homem que inventou o

Clássicos 21 Mar 2017

O homem que inventou o “violino” da Alfa Romeo

Por Marco Ireneu Pestana

Passam dez anos sobre o desaparecimento, aos 92 anos, de um homem marcante para a indústria automóvel e para os alfisti em particular: o engenheiro Giuseppe Busso. Foi uma personalidade multifacetada na área da engenharia mecânica, aplicada à indústria automóvel e da aeronáutica, entre outras. Liderou as equipas de engenheiros em todos os projectos da Alfa Romeo no pós-guerra – com a excepção do projecto da submarca Alfasud. Os célebres motores bialbero – de quatro ou seis cilindros, os V6, V8 em liga de alumínio – nasceram sob a direcção técnica de Giuseppe Busso, na fábrica de Portello e, mais tarde, de Arese. Foram consequência natural da sua experiência nos motores de avião. Muitos passaram à produção, materializando-se em modelos de série ou de competição. Outros terminaram na fase de protótipo.
 
Natural de Turim, onde nasceu a 27 de Abril de 1913, ingressou na marca do Biscione, no fim da década de 30, da qual só saiu em 1977 após exercer vários cargos diretivos. Este longo e fértil período foi interrompido por um ano, quando aceitou o convite do Commendatore (influenciado pelo seu amigo Gioachino Colombo) para assumir, em Junho de 1946, o cargo de primeiro director técnico da embrionária Ferrari, enquanto marca independente, em Maranello. Em Janeiro de 1948, estava de regresso à Alfa Romeo.
 
A respeito do profícuo trajecto de Busso havia muito a escrever. Todavia, pretendo destacar um aspecto esquecido, relacionado com o facto de associarmos a Alfa Romeo a modelos com transmissão traseira. Todavia, a ideia de produzir um pequeno Alfa Romeo de transmissão dianteira sempre existiu e foi defendida por Busso – contra a posição dominante na direcção da empresa.

 
A possibilidade de um Alfa Romeo mais acessível, de baixa cilindrada, remonta à década de 40 e a um projecto assinado por Wilfredo Ricart. Foi anterior ao 1900 e ao Giulietta, com motor de 1290 cc, apresentado em 1954, mas fiel à transmissão traseira.
 
Esta opção ganha novo impulso por volta de 1952, quando um destacado membro da equipa técnica, Rudolf Hruska, dá a saber a Busso e à restante equipa que a Finmeccanica prevê um novo projecto de cilindrada inferior à Giulietta. Os desenhos técnicos que datavam há mais tempo no departamento de projectos especiais, indicavam a hipótese de um motor de dois cilindros em linha, transversal, com cerca de 850 cc, refrigerado a água e transmissão dianteira, com o nome interno de “Vettura 1361“. Mais tarde, seria apelidado de “Tipo 103“ – permitindo um novo enquadramento da marca. Várias hipóteses ao longo do tempo foram colocadas, com refrigeração a ar ou a disposição de um motor boxer de quatro cilindros, com cilindradas de 350 a 750 cc.
 
Tudo foi equacionado pela direcção, em conjunto com os técnicos, ao longo dos anos, ficando, na maioria, no papel. Após as enormes vicissitudes na sua gestação, o “Tipo 103“ de transmissão dianteira, atingiu a fase de protótipo funcional em 1961, com 720 kg e motor de quatro cilindros, com 900cc, refrigerado a água, debitando 49 cavalos e podendo atingir 139 km/h. Mas a direcção, chefiada por Orazio Satta Puliga, não se encantou com a ideia de Busso e optou, em alternativa, por produzir, sob licença, o modelo Dauphine-Alfa Romeo para o mercado italiano. Se a história tivesse sido diferente, a Alfa Romeo teria apresentado a solução da transmissão dianteira e motor transversal pela primeira vez, anos antes do Austin/Morris 850, o Mini de Alec Issigonis, que surgiu em 1959.
 
A experiência técnica de Busso em projectos de tracção dianteira remonta à sua passagem por Maranello, onde esteve imerso no projecto do Tipo 125 S – o primeiro Ferrari – supervisionando a concepção do seu motor V12, mas também num modelo de seis cilindros e 750 cc com este tipo de tracção, que não superou a fase de prototipagem.
 
Giuseppe Busso deixou a sua marca na Alfa Romeo, pelos seus vários motores em outras tantas configurações de sucesso. Adoptou sempre soluções tecnológicas e materiais mais avançadas para cada época. O último dos seus projectos na marca foi o célebre V6 a 60º de 2500cc e 12 válvulas, apelidado de “Busso“. Este motor, estreado no Alfa 6, em 1979, continuou em produção e actualização em sucessivos modelos – incluindo 164 e o 155 V6 Ti vencedor do DTM e o posterior 156 de transmissão dianteira, cumprindo finalmente um sonho do seu criador! Após a compra pelo grupo de Turim, usaram-no em modelos Fiat e Lancia. Só no final de 2005 é que foi descontinuado, pelo não cumprimento das normas europeias de emissões, impostas a partir de 1 de Janeiro de 2006. A Cosworth tentou comprar os direitos de produção do V6 para competição, sem sucesso. Por coincidência, três dias depois de o seu motor perder validade burocrática – a 3 de Janeiro de 2006 – Giuseppe Busso despediu-se deste mundo. Morreu o Mestre mas não sua extensa obra! Em especial o seu V6 apelidado de “Violino de Arese“! E esteja onde estiver, Busso escuta a sua melodia, sempre que um alfista possa dar-lhe um sopro de benzina e de vida! Orquestrando um autêntico “por quem os sinos dobram“.
 
Grazie mille, Giuseppe Busso!
 


TAGS: 155 164 6 90 Alfa Romeo Busso DTM Marco Pestana V6


PARTILHAR:

2
Deixe um comentário

Please Login to comment
1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Marco PestanaAlexandre Ferreira Recent comment authors
Alexandre Ferreira
Visitante
Alexandre Ferreira

Muito bom! Muitos parabéns Sr Marco Pestana pelo excelente artigo!

Marco Pestana
Visitante

Muito obrigado caro Alexandre Ferreira. Cumprimentos.