Museu do Caramulo publica desenhos técnicos originais do Alba

Arquivos 14 Nov 2016

Museu do Caramulo publica desenhos técnicos originais do Alba

O Museu do Caramulo publicou recentemente no sua página de Facebook alguns dos planos e desenhos técnicos originais do Alba de 1952, o automóvel português de competição e o primeiro automóvel nacional a produzir o seu próprio motor.
 
Conhecido pelas suas linhas elegantes e aerodinâmicas, o Alba pode hoje ser visitado no Museu do Caramulo, fazendo aparições regulares em eventos e provas, nomeadamente na Rampa do Caramulo, durante o Caramulo Motorfestival.
 
Veja as imagens dos desenhos técnicos, assim como a imagem do Alba actualmente na galeria em baixo.
 

alba1
alba2
alba3
alba2-2
alba5
alba9
alba8
alba7
alba6
previous arrow
next arrow
alba1
alba2
alba3
alba2-2
alba5
alba9
alba8
alba7
alba6
previous arrow
next arrow

 
Sobre o Alba (1952)
 
A fábrica metalúrgica Alba em Albergaria-a-Velha era, no início dos anos 50, uma grande unidade industrial, pertencente ao Comendador Martins Pereira. O filho, António Augusto Martins Pereira, era um grande entusiasta do desporto automóvel e resolveu criar a marca Alba, vocacionada para a competição. O primeiro Alba foi desenhado e construído em 1952 e equipado – como era normal na época, não só em Portugal, como na Itália e em França – com o infatigável motor Fiat ou Simca de 1.089 c.c. Representou um notável progresso estilístico quando comparado com os DM ou os FAP da época, que tinham uma estética mais arcaica.
 
Na equipa Alba, para além de Martins Pereira, deve ser destacado o nome de Francisco Corte Real Pereira, piloto e mecânico de bom nível. Vencedor em 1951 e 52 da classe 1.100 c.c., no Circuito da Boavista, ajudou a desenvolver o Alba e a torná-lo num carro ganhador. Com três automóveis produzidos, a Alba tinha então uma estratégia clara de abordagem às provas nacionais: Corte Real tinha a seu cargo os circuitos e Martins Pereira dedicava-se às provas de regularidade, mas nos rallys.
 
As alterações regulamentares impostas pelo ACP, a partir de 1954 – com a passagem do limite superior de 1.100 para 1.500 c.c. – impuseram aos pequenos construtores portugueses a procura de novas soluções. A Alba desenvolveu vários motores. Para além do original 1.1 litros, com a mesma base e por aumento do diâmetro, preparou um 1.325 c.c. e, a partir de um bloco Peugeot, obteve um 1.360 c.c. Corte Real Pereira teve ainda uma ideia mais ousada e, na procura incessante de soluções para contrariar a ascendência do motor Porsche, que se revelava imbatível quer nos Denzel, quer nos 550 Spyder, recorreu a um velho motor Alfa Romeo 6C 1.750, diminuiu-lhe o diâmetro e desenvolveu, assim, um curioso motor de 1.5 litros de seis cilindros, com que participou na Boavista, em 1955 e 56, e em Vila Real, em 1958, embora sem grande sucesso. A “jóia da coroa” dos motores Alba, porém, seria o projecto próprio, elaborado na metalurgia Alba, todo em alumínio, com duas árvores de cames à cabeça e duas velas por cilindro.
 
A carreira da Alba prolongou-se durante bastante tempo e, em 1961, Corte Real Pereira ainda participou no Rali Nocturno de Salgueiros, onde obteve a 3ª posição absoluta.
 
Ficha técnica
1952
Portugal
90 CV
4 cilindros
1.500 c.c.
4 velocidades
200 Km/h
Motor #108-C 231944
Chassis #ALBA0001


TAGS: 1952 Alba Automóvel português Museu do Caramulo


PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment