Mercedes-Benz 300SL

Mercado 27 Jul 2012

Mercedes-Benz 300SL “Gullwing” Coupé, de 1956

Apresentada em 1954, versão de estrada do Mercedes-Benz 300SL – denominada internamente como W198 – surgiu por sugestão de Max Hoffman, o distribuidor americano da marca germânica, tendo em vista aquele florescente mercado do pós-guerra e o seu fascínio crescente pelos menores e mais ágeis desportivos europeus. Assim, para Hoffman fazia sentido vender nos Estados Unidos, uma versão mais “civilizada” do 300SL W194 de competição, que tivera bastante sucesso nas épocas de 1952 e 1953. Após a sua estreia, o 300 SL classificou-se em 2º e 4º lugares nas Mille Miglia de 1952, para no mesmo mês de Maio vencer o GP de Berna e com Karl Kling, Hermann Lang e Fritz Riess a tomarem nos 3 primeiros lugares do pódio. Seguiu-se-lhe ainda nesse mesmo ano, a dupla vitória nas 24 Horas Le Mans, os 4 primeiros lugares no GP do Jubileu no Nürburgring e a dupla vitória na 3ª Carrera Panamericana.
Claramente destinado ao mercado norte-americano, o 300 SL Coupé foi então apresentado ao mundo no Salão Automóvel de Nova York de 1954, fascinando desde logo o público com as suas portas de abertura para cima, rapidamente batizadas “gullwing”, numa referência directa às asas abertas de uma gaivota. Apesar do preço elevado de 7000 Dólares – o equivalente a cerca de 5700 Euros ao câmbio de hoje – foi um sucesso imediato, tendo no final da produção do coupé, em 1957, sido ultrapassadas as estimativas iniciais de 1000 exemplares, com cerca de 1400 automóveis fabricados.
O 300SL de produção incorporou os avanços tecnológicos que resultaram do programa de competição da Mercedes. Em matéria de nomenclatura, o “300” representava a capacidade do motor de três litros, enquanto “SL” significava “Sport Leicht” ou desportivo e leve. Determinante para o desempenho do carro foi o seu chassis tubular – extremamente rígido ainda que bastante leve – projetado por Rudolf Uhlenhaut, que pesava apenas 82 kg. A forma da elegante carroceria foi um caso clássico de aplicação dos princípios fundamentais do design, em que a forma serve a função. Por exemplo, as protuberâncias nos guarda-lamas ajudaram a melhorar a estabilidade do SL em alta velocidade. O carro inteiro, pronto a ser conduzido, incluindo a roda sobressalente, kit de ferramentas e combustível (com um depósito de 130 litros), pesava apenas 1295 kg, com o alumínio a ser utilizado extensivamente na construção da carroçaria – nas portas, capô, tampa da mala e interiores –, enquanto no resto era fabricado em aço.
O seu motor, de 6 cilindros em linha, e 2996 c.c. – que estava montado com uma inclinação de 45 graus para a esquerda, de modo a permitir uma linha de capô mais baixa – era o mesmo que equipava o 300 de quatro portas. Com um sistema mecânico de injeção direta de gasolina Bosch, debitava no entanto – com 240 cv – quase o dobro da potência da versão a carburadores. Embora não fosse não o primeiro carro com injeção de combustível, foi o primeiro a injetar a gasolina diretamente nos cilindros, uma inovação que lhe permitia atingir uma velocidade máxima de 260 km/h – apesar da sua caixa manual de apenas 4 velocidades – tornando o 300 SL Coupé, no carro de produção mais rápido do seu tempo. Mais do que um verdadeiro GT, o Mercedes-Benz 300SL Coupé ganhou uma reputação formidável, não só de elevado desempenho, mas também pela sua qualidade de construção excepcional e design avançado, quando comparado aos desportivos da mesma época.

Um exemplar actualizado para a versão “Sport”

Este Mercedes-Benz 300SL “Gullwing” Coupé, de 1956, que vai ser levado a leilão pela RM Auctions nos dias 17 e 18 de Agosto, em Monterey, tem apenas dois proprietários registados.
Originalmente importado para Porto Rico, na cor original “Fire Red” (DB 534) com interior em couro natural (1066), o seu primeiro proprietário utilizou-o em eventos desportivos na ilha, como testemunham fotografias do carro na pista de aviação de Porto Rico, em preparação para a corrida.
Em 1961, através do importador Mercedes-Benz, H.V. Grosch, o carro voltou para a fábrica na Alemanha, onde seria atualizado mecânicamente para as especificações “Sport”, com as quais alguns dos novos 300 SL Roadsters estavam a ser construídos. Para além do motor, foram também actualizados os amortecedores e suspensão, um eixo traseiro com relação 4.11, o mais recente sistema de travagem e jantes Rudge. Surpreendentemente, todas as facturas originais de fábrica para este trabalho acompanham o carro nesta venda. Após os trabalhos, o carro foi novamente enviado para Porto Rico, onde passado alguns anos foi guardado num armazém, no qual permaneceria por algum tempo, até ser vendido ao seu proprietário actual.
Depois desta aquisição, o 300 SL beneficiou de um restauro completo, sob supervisão do seu proprietário, engenheiro mecânico e colecionador experiente. Com a conclusão dos trabalhos, o 300 SL foi mostrado em vários eventos do Antique Automobile Club of America, nos quais imediatamente conquistou os primeiros lugares nos troféus Júnior e Sénior Nacional, bem como o troféu Grand National em 2008, atestando claramente a qualidade do seu restauro profissional. Como referimos, uma surpreendente variedade de documentos acompanha a venda deste carro, começando com a factura original da venda e passando por uma grande variedade de folhetos, brochuras, manuais e folhas de instrução originais do Mercedes-Benz 300SL (muitos em espanhol e inglês), bem como documentação relacionada com o transporte da Alemanha para Porto Rico, faturas do revendedor e documentos variados relacionados com a importação do carro.
Segundo responsáveis da leiloeira canadiana RM Auctions, este Mercedes-Benz 300SL “Gullwing” Coupé, de 1956 terá um preço estimado de venda entre os 850 mil Dólares e um milhão de dólares americanos, ou qualquer coisa entre os 700 e os 820 mil Euros, ao câmbio de hoje.
Mais informações em www.rmauctions.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: RM Auctions – Darin Schnabel

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube