A história atribulada de um Mclaren M8F, de 1972

Clássicos 31 Mai 2012

A história atribulada de um Mclaren M8F, de 1972

O campeonato de protótipos CanAm (Canadiano-Americano) deu origem a algumas máquinas verdadeiramente impressionantes. Ao contrário da Europa, nos Estados Unidos vigoravam muito poucas restrições nos regulamentos Grupo 7 da FIA, e quase tudo era permitido tanto em matéria de motores como de aerodinâmica. As rodas precisavam apenas de ser cobertas e o carro tinha de ter dois lugares. No seu auge, o campeonato CanAm atraiu uma enorme popularidade, para além de também atrair muitos pilotos norte-americanos e europeus como Jackie Stewart, Siffert Jo ou Pedro Rodriguez, para correm nestes carros monstruosos, que se tornavam cada vez mais poderosos e faziam tempos de volta em tudo semelhantes aos Fórmula 1 seus contemporâneos.
Em 1965, uma das primeiras pessoas a perceber o potencial do campeonato CanAm foi o neozelandês Bruce McLaren – que para além de ser um óptimo piloto, era também um engenheiro talentoso e um homem de negócios brilhante – acabando por criar a Bruce McLaren Motor Racing Ltd, em Colnbrook, perto de aeroporto londrino de Heathrow.
Inscrito com dois carros no início do campeonato, entregou um volante ao seu conterrâneo Chris Amon, reservando o segundo para si, muito embora mais tarde tenha confiado ao Australiano Denny Hulme a condução desse segundo carro. Com a equipe montada, não demorou muito para a McLaren para se tornar na equipe líder no CanAm, acabando por o ‘Bruce & Denny show’ por ganhar quatro títulos consecutivos, entre 1967 e 1970. Pete Revson (sobrinho de Charles Revson, filho do bilionário Martin Revson da conhecida empresa Revlon), venceu novamente o campeonato para a McLaren, em 1971, atraindo os patrocínios da Gulf Oil e dos Alumínios Reynolds.
Os McLaren com motor Chevrolet, na sua cor amarela-alaranjado, cedo se tornaram num símbolo do campeonato CanAm e o seu sucesso passou a financiar por muito tempo a aventura do neozelandês na Fórmula 1.
Em 1972 a McLaren finalmente encontrou um adversário à sua altura, com a entrada da Porsche no campeonato CanAm, e do seu poderoso Porsche 917/30, pilotado por Mark Donahue e George Follmer, a debitar mais 1000bhp. Foi o final do seu programa Can-Am para a Mclaren, que já em 1966, tinha participado no seu primeiro GP de Fórmula 1, no circuito do Mónaco, com um carro conduzido pelo próprio Bruce McLaren. A sua primeira vitória no entanto veio apenas a aconteceu no Grande Prémio da Bélgica, em 1968.
Infelizmente, em 1970, Bruce McLaren morre durante testes a um M8D, em Goodwood, nunca chegando ver a, Emerson Fittipaldi como campeão mundial, em 1974, a vencer para a McLaren o seu primeiro Campeonato Mundial de Construtores, para acompanhar os cinco campeonatos Canadian-American Challenge Cup.

Uma história atribulada

Este carro, com o chassis 09/72, foi o último McLaren M8F chassis a ser construído pela Trojan, um fabricante “habitual” da Mclaren. Foi propriedade de Bill Cuddy que a vendeu para Bud Romak, tendo sofrido um acidente seguido de incêncio em 1976, na prova de Sears Point.
Romak terá então vendido os restos do carro a Hal Whipple, que iniciou o seu restauro mas que por sua vez os vendeu a Ian Webb, no Reino Unido. Neste período, foram construídos outros dois carros, que também afirmam ser o carro ex-Romak, iniciando um equivoco em relação aos números de chassis. Supõe-se que Ian Webb terá então vendido o projeto de restauro ao especialista CanAm Harold Drinkwater, tendo este completado finalmente o restauro do carro e vendido posteriormente a Richard Eyre.
Richard Eyre correu com este carro regularmente na Taça Supersports Internacional por toda a Europa entre 1994 e 2000. O atual proprietário comprou então o carro a Eyre em 2004 e tendo corrido regularmente e com muito sucesso no Reino Unido até o ano passado.
O chassis 09/72 está equipado com um motor Chevrolet V8 de 8,8 litros, a debitar entre 700 e 800cv. Possui um sistema de injeção de combustível Kinsler, concebido em torno do motor ‘Big Block’ Chevy e uma caixa de velocidades Hewland LG600 renovada, que foi especificamente projetado para lidar com toda a potência do motor.
O carro é fornecido com duas carroçarias em fibra de vidro, acreditando-se que um conjunto seja semelhante ao McLaren M8D que John Foulston guiou, com a decoração da Atlantic Computers. São também fornecidos três conjuntos de jantes e pneus Avon, bem como uma quantidade substancial de de peças, que inclui um bloco e cabeças de motor de reserva.
O atual proprietário refere que todos os componentes relevantes foram testados na busca de fissuras e que o carro possui todos os documentos corretos FIA e se encontra pronto para correr. Refira-se que a última prova em que participou foi o Masters Donington, em 2011.
O carro vai ser apresentado no leilão da Silverstone Auctions, no dia 21 de Julho, integrado no festival Silverstone Classic que decorre nesse fim de semana, no circuito inglês com o mesmo nome. O valor estimado de venda deverá variar entre as 180 e as 220 mil libras.
A placa com o número de chassis 09/72 está corretamente instalada, embora a história deste carro sugira que enquanto estava a ser reconstruído no Reino Unido, um outro estava também a ser recriado nos Estados Unidos. Por essa razão, a leiloeira adverte que será importante notar que, enquanto atual proprietário acredita que toda a história em torno deste carro seja verdadeira, é conhecida a existência de outro carro nos Estados Unidos, com o mesmo número de chassis. Para a Silverstone Auctions, esta razão não deverá no entanto diminuir o interesse neste carro, que este leilão constitui uma rara oportunidade de adquirir um dos carros de corrida mais potentes já construídos, pronto para correr e, certamente, chamar as atenções nas pistas de corrida da Europa e dos Estados Unidos.
Mais informações em www.silverstoneauctions.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: Silverstone Auctions

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube