BMW Coupé Zagato, requinte e eficiência numa colaboração ancestral

Modernos 29 Mai 2012

BMW Coupé Zagato, requinte e eficiência numa colaboração ancestral

A BMW aproveitou a sua presença como organizador do Concorso d’Eleganza Villa d’Este para revelar – fora da competição – o seu novo Coupé Zagato, em absoluta estreia mundial.
Como o nome indica, trata-se de uma colaboração entre o construtor alemão e o estúdio de design e carroçador italiano Zagato e possui vários elementos de estilo bem característicos deste último. Esta carroceria do BMW Coupé Zagato foi inteiramente construída à mão, tal como no passado, e a sua nova “pele” foi trabalhada pelos especialistas Zagato, ao longo de muitas horas, aperfeiçoando a folhas de alumínio à mão e moldando-as meticulosamente para dar ao carro a sua forma única.
As proporções deste Coupé Zagato exalam por si só, a promessa de uma experiência de condução muito especial. O seu capot extremamente longo, o tejadilho com a dupla-bolha que flui para se “derreter” na traseira Kamm, conferem-lhe uma aparência compacta e musculada, com ênfase na traseira, como que demonstrando exactamente o ponto onde a potência do carro é transferida para a estrada. Este tratamento da superfície escultural visualmente impressionante é uma marca Zagato que confere a este automóvel uma personalidade distinta e imediatamente reconhecível. “Para mim, o BMW Coupé Zagato tem uma magia muito especial. Demonstra uma certa espontaneidade que, quando combinada com o tipo de soluções não convencionais típicos da Zagato, confere o carro uma elegância muito individual “, diz Norihiko Harada, o designer-chefe da casa Zagato.
“Zagato sempre proporcionou, aos seus clientes, carros que podem ser utilizados em pista ou estrada e o BMW Coupé Zagato encaixa nestes parâmetros”, diz o Dr. Andrea Zagato, que representa a terceiro geração da família a liderar a empresa. Por isso, este carro está registrado para uso em estrada e corresponde todos os requisitos legais de condução, em todo o mundo. “É relativamente fácil de construir um carro que não se destina a utilização em estrada. Não ter que cumprir todas as determinações que regem a segurança ou protecção dos peões, em caso de acidente, abre uma série de novos caminhos em termos de design “, acrescenta. “O verdadeiro desafio consiste em injetar o apelo emocional de um concept-car num automóvel apto para a estrada”.

A BMW e o design italiano

Depois de, em 1939, ter sido criada por encomenda, a primeira carroceria para um BMW – um coupé baseado no 328 para as Mille Miglia (prova na qual triunfou em 1940), já muitas foram as colaborações da BMW com os designers italianos: em 1959 com o BMW 3200 (Michelotti Vignale), em 1959 com o BMW 700, em 1962 com o 3200 BMW CS Bertone, e em 1978 com o BMW M1.
De referir ainda um facto curioso: foi em 1954 que a BMW se dirige a Milão para comprar ao fundador da ISO, Renzo Rivolta, os desenhos, licenças e ferramental necessários para a produção do lendário BMW Isetta.
Quase sessenta anos depois, a BMW re-estabelece, muito por acaso, uma ligação com a família Rivolta, uma vez que Marella Rivolta (esposa de Andrea Zagato), é a Diretora de Arte da Zagato responsável pelos acabamentos e cores deste novo coupé.

Um património aerodinamico comum

Tanto a BMW como Zagato são famosos para obter a mesma inspiração para a aerodinâmica da traseira dos seus automóveis, nos estudos do Professor Wunibald Kamm. Em 1940, o 328 Coupé Kamm, bem como a SZ Alfa e TZ, deram a conhecer e potenciaram o apoio dinâmico fornecido pelas suas típicas traseiras “cortadas” Kamm ou “Kammback”. Essa solução aerodinâmica tornou-se famosa na Itália com o nome “Coda Tronca” e foi bastante testada e implementada pela Zagato no início dos anos 60.
Este efeito Kamm faz parte de uma abordagem de design funcional, que visa a eficiência aerodinâmica, de acordo com a qual, o CX pode ser diminuído, mantendo volumes compactos. A redução da resistência ao ar é assegurada pela forma da traseira Kamm, sem qualquer necessidade de um desenho em forma de gota, que se estende até à traseira.
Por esse motivo, o BMW Coupé Zagato não precisa de qualquer apoio de correção ou asa traseira móvel, uma vez que a sua aerodinâmica já é muito eficiente.

A soma de todos os detalhes

O carácter único deste BMW Coupé Zagato reflete-se em pequenos detalhes, desde as pequenas letras “z” que compõe a grelha da frente (e que parecem estar flutuando dentro das abertura em forma de “rins”), ou os outros “z” prateados que assinam os flancos, passando pelas jantes de 19 polegadas em liga leve, com cinco raios, levemente inspiradas em hélices – remetendo para as origens de ambas as empresas. Também muito especial é a pintura deste automóvel. O exclusivo acabamento exterior “Rosso Vivace” depende de como a luz atinge a carroceria, num efeito luminoso só possível graças a uma sofisticada aplicação de tintas, em que um revestimento primário especial – composto de uma aplicação preto, seguido por uma camada de prata metálica brilhante – que é aplicado em primeiro lugar. Em seguida, são aplicadas seis camadas ultra-finas do tom de vermelho, e finalmente, duas camadas de verniz.
No interior, são também utilizados materiais requintados e de alta qualidade, desde elementos adicionais montados à mão, como linhas horizontais no painel de instrumentos e portas, de modo a aumentar o sentido de elegância desportiva. Mais uma vez o “z” bordado nos assentos é a mais clara referência no interior para as origens deste BMW Coupé Zagato.
Finalmente, dois acessórios exclusivos – um saco de chapéu e uma bolsa de viagem – recebem também o selo Zagato, sendo que a bolsa de viagem também recria a forma do tejadilho em dupla-bolha, mantendo essas linhas bulbosas mesmo quando vazia.

Mais informações em www.bmw.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: BMW

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube