Lancia Stratos

Mercado 11 Mai 2012

Lancia Stratos “Stradale” de 1976, dos rallyes para a estrada

Concebido por Cesare Fiorio, o então chefe da divisão de competição da Lancia, para representar a marca italiana em provas de rallye, o Lancia Stratos HF foi o primeiro automóvel de rallye a ser pensado de raíz para esse efeito.
Os princípios do estilo futurista da Carrozzeria Bertone, assinado por Marcello Gandini, apresentados no protótipo Stratos Zero, durante a Exposição de Automóveis de Turim de 1970 revelaram-se um triunfo do design funcional: desde sua imponente forma de cunha, bastante curta e larga, apenas com aberturas para as rodas, que contribuía para um significativo aumento da tracção, às janelas inspiradas na forma da viseira num capacete, maximizando a visibilidade dianteira. Refira-se que segundo o mesmo princípio, não foi sequer atribuída importância à visibilidade traseira ser extremamente reduzida, por não ser necessária em rallye.
A feliz combinação do seu curto chassis com o motor Ferrari V6, acoplado ao conjunto de transmissão manual de cinco velocidades sobre o eixo traseiro, conferiam-lhe um centro de gravidade relativamente elevado, permitindo à direcção do Stratos ser nervosamente rápida e ativa – afinal as características dinâmicas ideais que levaram ao seu tremendo sucesso, inicialmente na classe de protótipos do Grupo 5.
No final de 1974, a fábrica concluiu o fabrico dos primeiros 200 carros num período de 12 meses, pelo que lhe foi concedida a homologação para o Grupo 4. Foi nesse ano que os Lancia Stratos somaram vitórias e conquistaram o título do primeiro dos “seus” três campeonatos mundiais de rallyes – em 1974, 1975 e 1976, nas mãos de Sandro Munari. No último ano a fábrica retirou-se da competição, mas o Stratos voltaria a vencer até 1979, nas mãos de equipas privadas, tendo a sua última vitória internacional ocorrido em 1981, com a vitória de Bernard Darniche no Ralli da Córsega.
Embora durante a fase inicial de testes, o protótipo fosse equipado com três motorizações distintas, provenientes do Lancia Fulvia, do Lancia Beta e do Ferrari Dino V6, a escolha acabou por cair sobre o último pelo seu elevado binário, com os seus 2419 c.c e 190 cv de potência através de três carburadores Weber. E embora a configuração V6 tenha sido abandonada em 1974, foram construídos cerca de 500 motores para a Lancia.
Duas notáveis figuras ligadas ao mundo motorizado italiano, Giampaolo Dallara e Mike Parkes contribuíram grandemente para o desenvolvimento do Lancia Stratos HF, dos quais terão sido construídos um total de 492 exemplares, na sua grande maioria destinados à competição. Foi também produzida um versão “Stradale”, ou de estrada, embora em muito menor quantidade.

Um bom companheiro de estrada

Numa utilização dita “normal”, o Stratos é também um automóvel surpreendentemente prático, oferecendo uma visibilidade excelente para a frente e um espaço para bagagem muito generoso. Graças em grande medida às bolsas para capacetes em cada porta, o habitáculo é também bastante espaçoso.
Apresentando uma uma capaz suspensão independente às quatro rodas suspensão – com molas helicoidais à frente e tipo MacPherson na traseira, – e uma ventilação interior bastante satisfatória, este Lancia Stratos “Stradale” pode tornar-se num bom companheiro de estrada, sendo capaz de atingir facilmente mais de 220 km/h de velocidade máxima.
Originalmente entregue na Áustria, em 1976, este Stratos “Stradale” passou todo o tempo naquele país, apresentando apenas dois registos de propriedade – o primeiro durante 23 anos, e o segundo desde 1999. Com apenas 43 000 quilómetros, beneficiou de um recente restauro. O excelente trabalho de pintura, neste tom clássico de azul, de resto patente nas fotografias, como o acerto dos painéis da carroceria, revelam-se melhores que os de fábrica. O compartimento do motor espelha a sua ausência de utilização, apresentando todas as características de fábrica. O motor e caixa de velocidades são os originais e não foram restaurados, encontrando-se em excelente estado. O carro é fornecido com o manual de oficina original e folheto de vendas da época. As jantes Campagnolo com acabamento em dourado, são bem características da época, tal como o spoiler traseiro negro.
Tendo em conta que a maioria dos poucos “Stradale” originais foram transformados para correr, torna-se bastante raro encontrar à venda um exemplar tão bem conservado como este, sobretudo com uma proveniência comprovada. Para os entusiastas que procuram uma oportunidade de possuir um dos automóveis desportivos mais importantes da década de 1970, este soberbo Lancia Stratos “Stradale” de 1976 representa uma extraordinária oportunidade de aquisição. A conceituada leiloeira canadiana RM Auctions apresenta amanhã este carro, no seu leilão do Mónaco, prevendo um valor final de venda situado entre os 250 e os 300 mil Euros.
Mais informações em www.rmauctions.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: RM Auctions

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube