Daytona Spyder certificado poderá atingir 1 milhão de Euros

Mercado 09 Mai 2012

Daytona Spyder certificado poderá atingir 1 milhão de Euros

Quando se ultimam os preparativos para os vários leilões do próximo fim de semana no Mónaco, a propósito da realização do seu Grande Prémio Histórico, destacamos hoje um cobiçado modelo apresentado pela RM Auctions, cujo valor de venda poderá atingir 1 milhão de Euros: um Ferrari 365 GTS/4 Daytona Spyder, de 1971.
A Ferrari estreou o seu novo modelo GTB 365/4 no Salão Automóvel de Paris, em Outubro de 1968, produzindo ainda nesse ano apenas um pequeno número de coupés. Mas é apenas no Salão Internacional do Automóvel de Frankfurt, em Setembro de 1969, que é revelada esta versão Spyder do modelo, agora oficialmente chamado “Daytona”, ainda equipado com faróis de perspex – refira-se que todos os modelos de produção subsequentes tinham já os faróis retracteis que lhe são característicos.
Talvez a parte mais curiosa da história do Ferrari 365 GTB/4 seja o seu apelido não oficial “Daytona”. Foi após a esmagadora vitória da Ferrari nas 24 Horas de Daytona de 1967, ocupando os 3 lugares do pódio, que os mais obstinados entusiastas da marca acharam que o automóvel que veio substituir o GTB 275/4 deveria apresentar o nome “Daytona”. Embora esta designação tivesse sido usado internamente na Ferrari, Enzo Ferrari insistiu no entanto, para que se mantivesse a tradição da marca e fosse usado um nome resultante da nomenclatura técnica do carro. Independentemente do seu nome, o GTB 365/4 rapidamente se tornou uma lenda no seu próprio tempo como o último Ferrari GT com motor dianteiro, projetado antes o envolvimento da marca do negócio com a Fiat, em 1969. Além disso, o GTB 365/4 foi um dos últimos Ferrari de produção a ser totalmente montado à mão, sendo cada exemplar hoje considerado uma obra de arte única.

Linhas eternamente sedutoras

Embora proporcionasse um equilíbrio superior, o chassis de aço tubular do GTB 365/4 Berlinetta mantinha muitas semelhanças com o do seu antecessor, o 275 GTB / 4. Mas em termos formais, o novo modelo de 1968 diferira dramaticamente do anterior: enquanto o curvilíneo 275 GTB/4 expressava claramente um design tradicional de Pininfarina, o GTB 365/4 revelava-se ao mesmo tempo moderno, elegante e voltado para o futuro. Esboçado por Leonardo Fioravanti, para os estúdios de Pininfarina, o GTB 365/4 apresentava linhas que continuam, aos dias de hoje, a influenciar a concepção dos modernos Ferrari.
A carroceria, tanto do coupé como do Spyder, foi executada pela famosa empresa Scaglietti, tendo todos os painéis em aço sido “batidos” e soldados à mão, com excepção das portas em liga leve de alumínio. Inicialmente, os faróis eram visiveis, apresentando uma cobertura em perspex, embora mais tarde fossem introduzidos faróis retracteis para cumprir com os regulamentos de segurança em vigor nos EUA após 1971. Os quatro faróis redondos montados na traseira do GTB 365/4 são também um elemento de design habitual em muitos modelos Ferrari. A simplicidade da traseira do carro, combinada com a agressividade dos quatro tubos de escape cromados, logo abaixo do pára-choques, deliciam a vista de qualquer apreciador.
O motor V12 “Colombo” a 60º deste GTB 365/4 – designado Tipo 251 – que viu a sua capacidade ampliada de 3,3 para 4,4 litros ou 4.390 c.c., tem a sua origem no 275 GTB/4 de Lampredi e está acoplado a uma caixa manual de cinco velocidades. A potência, que subiu para os 352 cv às 7.500 rpm através de seis carburadores duplos Weber, era suficiente para impulsionar este Ferrari até aos 100 Km/h em 5.4 segundos, sendo perfeitamente capaz de levar o GTB 365/4 aos 280 km/h – uma velocidade de ponta ligeiramente superior ao seu rival da época, o Lamborghini Miura.

O terceiro “Daytona” produzido

O exemplar levado a leilão pela RM Auctions no próximo fim de semana, é um dos 18 que foram construídas com as especificações europeias e volante à esquerda. Com o chassis número 14415, trata-se do o terceiro Daytona Spyder a ser fabricado, de acordo com os registos da fábrica, muito embora o seu número de série seja o 10º. Originalmente pintado em azul “Blu Dino” (106-A-72), flanqueado por duas faixas brancas, apresentava um interior “Nero”.
De acordo com arquivos da Ferrari, este carro foi entregue em Itália tendo passado por dois proprietários, antes de ser exportado a partir de Cherbourg, para os Estados Unidos, por Luigi Chinetti. Em 1975, o carro foi pintado vermelho e no final dos anos 80, com aproximadamente 50.000 kms, mudou novamente mãos. Foi no entanto restaurado e pintado de preto antes de, em 1998, ter recebido vários galardões, entre os quais o Troféu Platina a propósito do Ferrari Club of America Annual Concours.
Desde a sua aquisição pelo actual proprietário, este 365 GTS/4 Spyder foi integrado numa coleção particular, tendo continuado a ser pouco utilizado. É vendido com certificação Classiche Ferrari, para além da sua bem documentada história e incluí o estojo de ferramenta original bem como dois conjuntos de jantes diferentes: Borrani e Cromodora.
Transmitindo uma imagem poderosa e sexy ao mesmo tempo que continuam a mostrar-se tremendamente rápidos – na melhor tradição da Ferrari –, os GTB 365/4 e seus 365 irmãos GTS/4 Spyder permanecem alguns dos melhores e mais desejados modelos produzidos pela casa italiana.
Mais informações em www.rmauctions.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: RM Auctions

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube