Apresentação mundial em Genebra do novo Porsche Boxster

Modernos 06 Mar 2012

Apresentação mundial em Genebra do novo Porsche Boxster

Mais potência, menos peso, novo desenho de carroceria com menores indíces de atrito, são as três principais características que todos os fabricantes procuram atingir com os seus novos modelos e que se traduzem em menores consumos e emissões e sobretudo melhores performances.
Foram também essas as linhas directoras da Porsche para a criação da terceira geração do seu modelo de entrada de gama: o Boxster. Mais do que um mero retoque, este modelo apresentado no salão de Genebra recebe um novo chassis – com o código de produção interno 981 – bastante mais leve que o anterior, com uma maior distância entre eixos.
O roadster da marca alemã recebeu também, em ambas versões – Boxster e Boxster S – o novo motor de seis cilindros boxer com injecção directa, equipado com sistema de recuperação de energia, gestão térmica e sistema “start-stop”. A anunciada redução de até 15% nos consumos e também das emissões poluentes foi conseguida apesar dos aumentos de potência. A versão base mantém os 2 706 cm³ mas agora com 265cv às 6 700 rpm e 280 Nm, mais dez cavalos do que o modelo anterior. Na versão S, a potência sobe 5 cv, passando a debitar 315 cv também às 6 700 rpm e 360 Nm de binário, mantendo também os 3 436 cm³.
Mecânicamente, este novo Boxster é agora equipado com uma nova direção electromecânica e ambas as versões contam de série com caixa manual de seis velocidades, estando disponível, em opção, a já conhecida transmissão automática com sete velocidades e dupla embraiagem, denominada “Porsche Doppelkupplungsgetriebe” ou PDK.
A marca de Estugarda anuncia para o Boxster uma aceleração dos zero aos 100 km/h de 5,7 segundos e um consumo médio combinado urbano/extra-urbano de 8,2 litros aos 100 km. No Boxster S o tempo dos zero aos 100 km/h baixa para os 5,0 segundos, e a média de consumo combinado de 8,8 litros aos 100 km. Refira-se que a escolha da opção PDK quando da encomenda fará baixar, não apenas os tempos dos zero aos 100 como também fazer baixar os 7 e 10% respectivamente para a versão de entrada e para a versão S.
Os volumosos pára-choques conferem ao novo Boxster um ar mais encorpado. De formas marcadamente musculadas, o novo Boxster, adopta alguns detalhes estéticos estreados pelo novo 911 (que por sua vez foram inspirados no 918 Spyder e no Carrera GT), nomeadamente no desenho das óticas frontais e da dianteira, bem como no spoiler integrado entre as ópticas traseiras – talvez a maior fonte de discórdia entre o público. As entradas de ar para o compartimento do motor, situado atrás do habitáculo, foram também totalmente redesenhadas com uma clara inspiração no Carrera GT. Para os puristas da marca aplicar-se-á talvez a frase que Fernando Pessoa criou em 1928 para a entrada da Coca-cola no mercado português: “primeiro estranha-se, depois entranha-se”. A capota completamente eléctrica recolhe para um novo compartimento. No habitáculo destaca-se agora a consola central inclinada, também inspirada no Carrera GT, e que agora é comum a todos os modelos da marca.
Para mais informações consulte www.porsche.com

Texto: Jornal dos Clássicos
Imagens: Porsche

Classificados

Deixe um comentário

Please Login to comment

Siga-nos nas Redes Sociais

FacebookInstagramYoutube