Morreu Gianpiero Moretti, piloto e empresário criador da MOMO

Arquivos 14 Jan 2012

Morreu Gianpiero Moretti, piloto e empresário criador da MOMO

Se o seu nome completo não diz muito à maioria dos leitores, já a sigla MOMO será das mais fácil e imediatamente reconhecidas para quem acompanha o desporto automóvel.
Gianpiero Moretti faleceu ontem em sua casa perto de Milão, dois meses antes de completar os 72 anos.
Foi em Itália, nos anos 60, ainda enquanto estudava ciências políticas na Universidade de Pavia, que Moretti se iniciou como piloto de competição. Por não se sentir confortável com os volantes finos e de maior diâmetro habituais, pede a um amigo para fazer um volante mais à sua medida, mais pequeno mas mais grosso, mais fácil de segurar em corrida. Foi este estranho volante que chamou a atenção dos outros pilotos, de entre os quais John Surtees da Ferrari que o montou no seu 158 F1. No final da época de 1964, Surtees foi campeão do mundo com a Ferrari (o único título mundial de Surtees em 4 rodas) e com o volante de Moretti. Começavam assim os pedidos para tipo de volantes e logo se abriram as portas para um negócio, quando em 1966 iniciou actividade a sua fábrica de Tregnago, nos arredores de Verona. A primeira grande encomenda veio da Ferrari, que passou a equipar todos os seus carros de competição com volantes MOMO, a sigla criada a partir das palavras Moretti-Monza. Daí ao sucesso internacional foi um pequeno passo, embora as vendas iniciais do volante estivessem limitadas ao mundo das corridas. Em 1970 Moretti diversificou a produção de volantes e começou também a produzir jantes em liga leve fazendo crescer o negócio ao ponto de triplicar os resultados entre 1974 e 1976 de 700 para 2 400 milhões de liras. Em 1995 vende 60% do negócio à Mercury Holding, mas mantém o lugar na administração da empresa.
Mas Gianpiero Moretti foi mais do que um empresário de sucesso, foi também um piloto de resistencia com provas dadas, sobretudo da sua elevada preserverança. Embora os seus sucessos em pista não igualassem a sua carreira empresarial, a sua vida foi no entanto pautada por duas significativas vitórias em solo americano: as 24 horas de Daytona e as 12 horas de Sebring, ambas em 1998, com um carro desenvolvido por si: o Ferrari 333 SP. A sua última vitória foi também sua última corrida como piloto nas 6 horas de Watkins Glen, ainda em 1998.
Considerado pelos seus pares como o exemplo de um verdadeiro “gentleman-driver”, Gianpiero Moretti deixa assim uma marca indelével na indústria e no desporto motorizado mundial.
Após finalmente vencer as 24 Horas de Daytona, enquanto olha para o seu Rolex novo – oferta do patrocinador – é-lhe atribuída a frase “é o relógio mais caro que já ganhei”, referindo-se sem dúvida ao número de vezes (quinze) que tinha participado na prova até conseguir vencê-la, já com 58 anos.

Texto: Jornal dos Clássicos
Fotos: MOMO



PARTILHAR:

Deixe um comentário

Please Login to comment