Ferrari 250 MM vai a leilão em Monterey por sete milhões de euros

Mercado 08 Ago 2018

Ferrari 250 MM vai a leilão em Monterey por sete milhões de euros

Apesar dos absolutos sucessos do motor de grande porte de Aurelio Lampredi em 1950, Enzo Ferrari decidiu em 1952 desenvolver ainda mais o motor de corrida original da empresa, o V12 de bloco curto projectado por Gioacchino Colombo. A Ferrari suspeitava que um motor mais curto e mais leve proporcionariam um piloto mais equilibrado que poderia ser mais rápido em circuitos de torção.

 

Para tal o V12 Colombo foi melhorado passando a deslocar 250 cc por cilindro para um total de quase 3 litros, o clássico volume do motor que em breve abasteceria uma geração inteira de modelos GT, culminando no icónico 250 GTO. O tradicional cabeçote de Colombo foi descartado e aplicada uma cabeça estilo Lampredi com encaixes individuais e três grandes carburadores Weber de quatro cilindros. O novo motor foi colocado no chassis 0156ET, um chassis raro da Export Tubolare com uma distância entre eixos  de 2.250 mm que foi originalmente designado por 225 Sport. Com carroçaria vestida em Vignale berlinetta semelhante à do Ferrari 212 Export, o novo automóvel foi apelidado de 250 Sport e emprestado pela Scuderia Ferrari a Giovanni Bracco e a Alfonso Rolf para a Mille Miglia, em Maio de 1952. A dupla venceu a prova pela força do estilo impetuoso e não convencional do ex-piloto, abastecido por cigarros e conhaque.

 

Seis meses depois, no Salão de Paris, a marca do cavallino rampante apresentou um novo modelo desportivo, o 250 Mille Miglia, em homenagem à vitoria de Bracco. Montado num chassis mais curto, cuja distância entre eixos era de 2.400 mm, foram produzidos 31 exemplares até meados de 1953, dezoito dos automóveis foram construídos em estilo “fastback”, enquanto os restantes 13 foram encorpados em Vignale, exceptuando um como Spyder.

 

O exemplar que se junta ao elenco de luxo do leilão da RM Sotheby’s em Monterey, número de chassis 0344 MM, foi o 15º dos 18 Berlinettas a serem construídos. Entregue a Pinin Farina em Junho de 1953 foi pintado em grigio perla, os assentos estofados em vinil bege e devolvido à fábrica para ser concluído no início de Agosto. Em meados de Setembro foi vendido à sua primeira proprietária, Paola Ferrari, e equipado com bumperettes verticais cromados.

 

Em Março de ’54 Paola vende o 250 MM à SAIPA S.r.L., empresa criada especificamente para o registo de Ferraris de competição para uso fora de Itália, no mesmo mês foi adquirido por Mas-Olle Persson. O 0344 MM encetou então a participação numa série de corridas de estrada e gelo na Suécia, a primeira das quais foi a corrida de Berksäker, seguindo-se o Grande Prémio de Helsínquia, entre muitas outras.

 

Nos anos subsequentes o 250 MM mudou inúmeras vezes de mãos, entre os seus proprietários destacam-se o piloto inglês Hebert Mackay-Fraser, cuja compra incluiu a troca do seu Ferrari 735 Monza Spyder; Pierre Bardion, à época, dono da mais impressionante colecção de automóveis desportivos e de corrida da Ferrari; Marcel Massini, famoso historiador da Ferrari. Em Outubro de 2010 foi adquirido pelo seu actual proprietário, desde então o Ferrari 250 MM marcou presença em diversos eventos, como o Marin-Sonoma County Concours d’Elegance em Maio 2011 e Pebble Beach Concours d’Elegance, em Agosto de 2013.

 

O 0344 MM apresenta-se num estado imaculado, conferido pela sua recente pintura em midnight blue e pelo facto de nunca ter sofrido nenhum dano significativo enquanto competiu, que aliado à sua raridade tornam este exemplar bastante apetecível para os coleccionadores de automóveis de Maranello. A RM Sotheby’s estima que o valor da venda se fixe entre os 6,4 e os 7,6 milhões de euros.

 

previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow
ArrowArrow
Slider

TAGS: Ferrari 250 MM Berlinetta RM Sotheby's


PARTILHAR:

Mais Populares

Deixe um comentário

avatar