Ford T

Clássicos 13 Mar 2013

Ford T

Considerado o carro do século XX, o Ford T veio definitivamente para ficar na História do automóvel e da mobilidade. Mais importante do que estas menções que nos remetem para os dias de hoje, foi o papel que este carro desempenhou numa altura em que os transportes eram ainda escassos e a maioria das pessoas ainda se deslocava em carros de tracção animal. Ao aplicar o conceito de linha de montagem a um veículo, Henry Ford soube optimizar os poucos recursos que a marca norte-americana tinha em meados do século XX e desde então a Ford passou a ser considerada uma marca de referência a nível mundial, depois de ter conseguido que o seu carro chegasse tanto a ricos, como aos menos afortunados. Henry Ford era na altura uma espécie de apaziguador de classes, pode-se dizer assim, já que tanto o operário mais simplório, como o mais afortunado burguês podia conduzir um veículo com características muito próximas. E a prova de que a produção em série deu os seus frutos, é que a maioria dos fabricantes dedicados à construção de automóveis passou a adaptar este tipo de fabrico de forma a sobreviver no então complicado universo motorizado. Mas escrever sobre um carro que teve um efeito tão acentuado sobre a população americana e de uma forma geral, sobre toda a população mundial, não é tarefa fácil. Afinal foram 15 milhões de unidades do Ford T, todas elas construídas entre 1908 e 1927. Muito se escreveu e disse na passagem do século sobre o sucessor do modelo N da casa americana, inclusive nas revistas e jornais portugueses da especialidade que não deixaram de realizar uma atribuição simbólica de um título a que certamente Henry Ford não seria indiferente. Mas isso é o que certamente menos importa. O certo é que ainda hoje, muitos adeptos da História automóvel têm no Ford T o seu automóvel de eleição pelas mais variadas razões. Portugal não é excepção e felizmente não é assim tão raro ver nos eventos nacionais várias versões do modelo T. Uma das razões a que certamente leva bastantes adeptos das várias versões do Ford T a apostarem as suas economias neste modelo é sem sombra de dúvida o carisma e a importância histórica que o T assume não só no papel da marca, como inclusive do próprio automóvel. Mas é natural que estas qualidades tivessem pouca ou nenhuma importância se a qualidade de construção destes veículos não fosse eficaz, ao ponto de muitos órgãos mecânicos e componentes da carroçaria não durassem qualquer coisa como 100 anos. Por acaso o leitor ainda se lembra, por exemplo, como estava o estado da carroçaria do seu Citroën Visa, ou Fiat 127, quando o mandou para o abate? Ah, pois é….

Como se conduz

Nestes artigos de automóveis é suposto o jornalista em questão conduzir o carro em análise. Pois é, mas desta vez não o fizemos. E de forma propositada e ajuizada, diga-se de passagem. Conduzir um Ford T pode parecer à primeira vista uma banal operação para quem anda metido nestas coisas de automóveis antigos. Bem, mas a verdade é que apesar do condutor contar com três pedais e um volante, esta está longe de ser uma viagem na sua tradicional acepção de passeio. Pelo menos no início. Mas vamos por partes. Primeiro, para ficarmos a saber alguma coisa diferente do que estamos habituados a ler nos press releases da marca da oval azul e nos livros de carros antigos, entrámos em contacto com Manuel Rodrigues Costa. Ele e a sua esposa, são uns dos proprietários de Ford T em Portugal. E se o seu carro foi construído em 1913, nem por isso, nos afastamos do ideal base deste artigo que é dar a conhecer algo mais sobre o carisma do Ford T e deixar um pouco de lado a sua extensa e conhecida história.  Do lado de fora, a estrutura da carroçaria do Ford T, leva-nos depressa para o início do século passado, em que as estruturas eram alteradas ao gosto de cada cliente. Esta não era contudo a orientação base de Henry Ford, isto apesar das várias opções em termos de estrutura. Os registos da casa norte-americana referem que a fábrica produziu as versões Touring, Sedan, Coupe, Roadster, Town Car, e Delivery Car durante os 19 anos em que o carro esteve em produção. A entrada do condutor é feita do lado direito da viatura, já que este é um carro que possui uma carroçaria denominada de Rigid Body Touring. Do lado do condutor não existe porta de acesso, possivelmente por razões de segurança. No entanto, estranhamente, os passageiros têm acesso ao amplo compartimento interior pelas duas portas de trás e a única da frente. E quando se olha para o volante, depressa se pode aperceber que por detrás deste enorme disco se situam duas patilhas. Uma reporta ao avanço e atraso do motor, enquanto que a alavanca do lado direito refere-se ao acelerador. Mas este não é o único modo de acelerar a rotação do bloco de quatro cilindros com 2.895cc. O acelerador de pé, situa-se do lado esquerdo e com esse pedal, o condutor controla a 1ª e 2ª marcha. O pedal do meio destina-se à marcha-atrás, enquanto o pedal mais à direita trabalha como travão. Confuso? Só num primeiro contacto, quando se tem que pensar onde colocar os pés de modo a não acontecer nenhum imprevisto. Mas há mais para o confundir. É que o travão de mão, alojado à esquerda do condutor, funciona a três posições. Colocado a manete toda para trás, ou seja, puxa-la em direcção ao condutor, o carro fica travado. Fácil, não é? No entanto, a meio, encontra-se uma posição que tem como intenção destravar o Ford T. E por fim, quando se empurra a alavanca completamente para a frente, o pedal do acelerador funciona em sintonia com a alavanca. Lógico que verificamos isto tudo com o carro parado e depois em funcionamento.

A bíblia dos T

Confesso que escrever sobre o Ford T era algo que não me fascinava muito a inicio. Um carro do início do século, os chamados rodas de pau, geralmente apenas conseguem arrancar um sorriso da cara de quem o vê passar. Mas estas coisas velhas também têm outro charme, dai ter andado à procura de coisas diferentes para contar aos nossos leitores. E a solução foi mesmo aceitar a proposta do proprietário do “nosso” Ford T. Possuidor do livro “Model T Ford – The Car That Changed The World”, escrito por Bruce W. McCalley em 1994, esta é uma verdadeira bíblia (muito mais do que uma enciclopédia) quanto ao carro da Ford, daí ter ido “beber” alguma (ok,ok…bastante, eu confesso) a esta obra fundamental a quem quer saber tudo sobre o Ford T.  Sabia por exemplo que a própria Ford possui um registo de praticamente todos as unidades do Ford T construídas? É verdade, e isso é bastante útil para saber, por exemplo, em que dia foi construído o exemplar que possui ou pretende adquirir e verificar se o carro que encontrou está de origem ou não. Tomemos o caso do carro com o chassis nº 263789, o exemplar propriedade de Manuel Costa. Construído em 1913, o carro apresentado foi concluído a 6 de Maio, num dia em que outras 650 unidades saíram da unidade de Highland Park. Para 1913, a Ford tinha em catálogo três propostas no que toca a carroçarias: as versões Touring, Runabout e Town Car, sendo esta decisão outra medida tomada para reduzir os custos de produção e assim chegar a todas as camadas de população. Todas estas carroçarias eram produzidas em empresas exteriores à casa da oval azul e apesar das carroçarias serem construídas com o claro intuito de serem padronizadas, a verdade é que entre as versões, havia pequenos detalhes que as distinguiam. Naturalmente que nos vamos debruçar sobre a proposta Touring, não só por ser a versão que encontrámos, como também foi de longe a mais vendida até então. Em termos de cores disponíveis, a fábrica propunha um azul bastante carregado, com os guarda-lamas a apresentarem-se tanto na mesma tonalidade, como no preto. Mais tarde, a Ford adoptou o preto como cor standard. Além do mais, o ano de 1913 foi especialmente importante na concepção do modelo T, isto porque a Ford apresentou algumas melhorias, face às unidades construídas desde 1908. Uma delas era a carroçaria que era agora mais simples, logo mais barata de produzir, que as anteriores. Mas também a nível de interiores a versão de 1913 contrastava com as outras. O painel de instrumentos era agora mais pequeno, por exemplo. Mas também a imagem da própria Ford começou a ser evidenciada em 1913, daí que a designação “Made in USA” tenha começado a surgir aos poucos no Ford T neste período. No entanto, existem ainda modelos, produzidos no início de 1913 que ostentam a nomenclatura de Dogde Brothers, já que estes eram o principal fornecedor de carroçarias e peças da Ford. Porém, quando a Dodge começou a planear o seu próprio automóvel, abandonou o fornecimento de material à Ford. Outro facto curioso é que Henry Ford era nesta altura um nome pouco conhecido fora de Detroit. No entanto, em Janeiro de 1914 a Ford Motor Company anunciou que iria pagar 5 dólares por dia e reduzir a carga horária de nove para horas diárias a quem se alistasse para trabalhar na sua fábrica. Por isso já sabe. Quando se cruzar com um Ford T lembre-se que um dia ele foi um carro destinado às massas.

Características técnicas

Ford T

Versão: Rigid Body Touring

Capacidade: 2.895cc; quarto cilindros

Combustível: gasolina

Pneumáticos

Frente – 30×3

Trás – 30×3 ½

Distância entre eixos: 2,52 metros

 

Texto e fotos: Classic Press Center ©



PARTILHAR:

4
Deixe um comentário

Please Login to comment
2 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
NevesPedro BarretobelmiroJosé Alberto de Sousa e Silva Recent comment authors
belmiro
Visitante
belmiro

Hpla.bun dia seu febricante de combios turisticos y un cliente me pidiu uma ford t pickup du ano 1914 uma replica isteu he precurar incuntrar y nau he incuntru teñu k febricar .premi nu he tan difisil mes se incuntru muitu miyor .un saludo

José Alberto de Sousa e Silva
Visitante
José Alberto de Sousa e Silva

O Ford T é o único carro antigo que me fascinou e consegui encontrar um Nacional de 1924. Gostava de encontrar alguém que me desse mais algumas informações sobre esta viatura. Assim, deixo o meu número de telefone 917815537.

Pedro Barreto
Visitante
Pedro Barreto

Boa noite. Ah cerca de 2 anos adquiri também um ford T de 1926 que entretanto restaurei. Estou em Setúbal,se precisar de ajuda envie-me um email. Cumprimentos pb

Neves
Visitante
Neves

Boa tarde. Como diz que restaurou um ford modelo T de 26, eu tenho um de 24, neste momento preciso de velas e junta da cabeça. Não encontro peças nem quem seja importador, tanto em Portugal como na Europa. Se me poder ajudar eu agradeço.
Os meus cumprimentos

Neves